26.9.16

SONHOS: DESEJOS OU FANTASMAS?



Um dos livros que li na disciplina de psicanálise, quando cursava a graduação foi “A interpretação dos sonhos”, de Sigmund Freud. O livro foi publicado em 1899, mas com a data de 1900. Lembro-me que minha professora comentara que Freud acreditava que seria uma grande contribuição para o século que iria se iniciar.

De uma forma geral, não estudamos no curso de Psicologia os autores do século XIX e início do século XX que também escreveram e pesquisaram sonhos, especialmente os filósofos espiritualistas, então Freud fica apenas com os interlocutores que ele próprio escolheu em seu livro.

Há pouco traduzi o livro “Os fantasmas e suas aparições” de Alfred Russel Wallace, naturalista de renome na história da biologia. Os artigos que compõem este pequeno livro foram publicados em 1891, e, curiosamente, têm uma parte de análise de sonhos, alguns deles descritos no livro “Os fantasmas dos vivos”, publicado ainda antes pela “Society for Psychical Research”. Os sonhos não são o tema central do livro, mas achei muito interessante ver que Wallace estava discutindo a tese do “segundo self”, ou “ego inconsciente”.

Um dos sonhos que ele analisa é:

“o caso da Sra. Menneer, que sonhou por duas vezes na mesma noite que ela viu seu irmão decapitado aos pés da cama com sua cabeça dentro de um cofre ao seu lado.” (Wallace, pág. 68)

Seguindo a explicação do pai da psicanálise, este sonho seria entendido como uma realização “alucinatória” de um desejo, ainda que tendo sofrido a distorção onírica, em função da defesa.

Voltando à história, o irmão da sonhadora estava em Sarawak, com Sir James Brooke, e foi morto durante a insurreição chinesa, tentando defender a Sra. Middleton e suas crianças. Seu corpo foi levado ao rajá e sua cabeça foi “cortada e carregada em triunfo, seu corpo foi queimado na casa do rajá”.



Sir James Brooke

A data do sonho “coincide aproximadamente” com a morte do Sr. Wellington, e seguramente a notícia ainda não tinha sido dada à Sra. Meenner, o que exclui a explicação a partir dos “restos diários”, ou seja, de se sonhar algo que foi visto ou vivido em estado de vigília, mas que carrega um conteúdo emocional.

Estou citando apenas um caso, dos que foram analisados e descritos por estudiosos espíritas e espiritualistas, e até mesmo por estudiosos sem vínculo com o espiritismo, para defender que de alguma forma houve a percepção de um evento acontecido à distância, seja por telepatia, seja por comunicação com espíritos desencarnados.

Acredito que psicanalistas que entendem que todo sonho é realização de desejo irão sustentar sua teoria, ante este fato, entendendo tratar-se de coincidência ou acaso (que o evento tenha acontecido à distância). Contudo, há muitos casos documentados, posso assegurar que às dezenas, se, além das obras de Wallace, considerarmos também o livro “O desconhecido e os problemas psíquicos” de Camille Flammarion, que apresentam associações entre conteúdo onírico e eventos acontecidos à distância, desconhecidos do sonhador.

Não adoto a posição extrema de Wallace, que ataca as teorias do inconsciente, mas concordo com ele, que em matéria de ciência, as teorias têm que explicar o conjunto de fatos, e não apenas os que deixam o pesquisador mais confortável com sua forma de pensar. Quanto a Freud, cabe, talvez um reparo: Os sonhos podem ser uma forma alucinatória de realização de desejos, mas nem sempre...

21.9.16

CAÇADORES DE BRUXAS


Pintura de um autor da época das bruxas de Salém, Thomas Satterwhite

O episódio de Salém, nos Estados Unidos, virou até filme. Diz respeito a pessoas que foram consideradas bruxas, intermediárias do demônio, e que passaram a ser caçadas com base no “Malleus Maleficarum”, o livro que tentava indicar comportamentos e sinais do pacto sinistro com o diabo, a partir de denúncias, que eram estimuladas por um clima de histeria, misturado com medo e um falso sentimento religioso de dedicação.

Pessoas como estas sempre estiveram na história, porque talvez sejam manifestação do lado obscuro de nossa alma, aquele que teimamos em dizer que ficou no passado, mas às vezes se manifesta.

Estão por aí, inclusive no meio espírita. Apesar de se acreditarem humildes, agem como se fossem donos da verdade. Não exercem a crítica com sua face racional, paciente, que visa a mostrar contradições de ideias. Gostam de dar golpes verbais, e abusam das acusações em seus discursos.

Ao analisarem uma obra ou um autor, não se detém na análise das ideias em conformidade e em contradição com o pensamento kardequiano, por exemplo. Estigmatizam. Argumentam pela existência de um perigo iminente, que ronda todo o movimento espírita, colocando-se como paladinos, defensores da paz e do bem.

Ao demonizarem seus opositores, endeusam-se aos olhos do leitor ingênuo, que os acredita fiéis defensores da verdade.

É quase impossível manter um diálogo, porque como estão certos de suas verdades pessoais, e não costumam rever ideias, recorrem logo à retórica para fazer desacreditar os que se lhes opõem algum ponto de vista. Querem transformar o diálogo em uma espécie de jogo de gladiadores, e os que o assistem em uma espécie de torcida, pronta a aplaudir, em suas mentes imaginativas, o golpe bem dado no adversário.

Escolhem cuidadosamente as falhas e erros das instituições espíritas, não para propor mudanças e auxiliar nelas, mas para acusá-las, torná-las menores e indignas de crédito aos olhos do público. Reafirmam sua imagem quixotesca ao acreditarem-se denunciando e defendendo a pureza doutrinária, ou o futuro da doutrina espírita.

De tanto agredirem verbalmente, desagregam. Atraem apenas as mentes ingênuas, que acreditam também estar em uma luta justa, e que os elegem como campeões. Cercam-se apenas dos que aceitam tudo o que pensam, sem qualquer discordância, e que se calam ante sua "voz de trovão".


Peço a Deus a vigilância constante, capaz de me fazer distinguir a atitude vaidosa destes homens, que seguramente existe no lado negro de minha alma, da análise crítica, necessária e humilde, capaz de fazer pensar e proporcionar o avanço, pela convicção compartilhada, dos que trabalham diária e voluntariamente por um espiritismo congruente com suas bases e propósitos.

19.9.16

A IMPORTÂNCIA DO VÍNCULO PSICOLÓGICO NA EVANGELIZAÇÃO DE CRIANÇAS DE COMUNIDADES




Há muitos anos, na década de 1980, fui evangelizador e depois coordenador da evangelização infantil de nossa casa, na unidade Lar Espírita Esperança. Nesta experiência, muitas vezes fiquei sem chão, porque o que eu achava que fazia bem com os filhos dos frequentadores da sede da Associação, escolarizados, de classe média, quase nunca funcionava bem com os filhos das comunidades locais.

Como exemplo, as aulas expositivas, tão bem construídas, com objetivos de aprendizagem gerais e específicos, não eram apreciadas, e, principalmente, não eram apreendidas em seus conteúdos. Uma vez, a pedido nosso, as turmas de evangelização fizeram uma avaliação somativa do que haviam ensinado ao longo do semestre, e os evangelizadores ficaram muito impressionados com a baixíssima retenção. Vimos que era necessário um novo caminho, uma nova pedagogia, ou pelo menos, uma pedagogia que pudesse se reinventar a partir da constatação de suas limitações.

Um problema que não tínhamos e que pude verificar mais recentemente, era o problema do vínculo. Quando trabalhamos com crianças de comunidade, diferentemente das crianças de classes médias, uma questão muito importante a ser conquistada ao longo do percurso, é a confiança. Uma grande ameaça para o mundo infantil, que se torna maior na medida em que as crianças são menores, é a estabilidade. Crianças que passam por famílias em contínua desagregação, na qual entram e saem pessoas, têm problemas de investimento emocional.

Vi diversas vezes pessoas da geração anterior à minha e da minha geração se queixarem dos namorados/namoradas dos filhos. Em uma época de fluidez nos relacionamentos, eles dizem:

- Não vou me ligar muito aos namorados dos meus filhos. Quando a gente começa a tratá-los como parentes, a acostumar com sua presença, o relacionamento acaba!

Se a quebra de um vínculo frágil, como o do namoro, incomoda a um adulto, já possuidor de uma rede estável de familiares e amigos, imaginem na cabeça de uma criança, muitas vezes sem esta rede de afetos.

Com certeza, não é papel do evangelizador substituir os pais e familiares ausentes, por isso é necessário estabelecer um contrato psicológico com seus alunos. Isto significa um acordo explícito, do tipo: vamos trabalhar juntos ao longo do ano, serei seu evangelizador, meu nome é fulano, e espero que vocês participem das aulas e sejam presentes ao longo do ano, para aproveitar ao máximo o que iremos fazer.

Um evangelizador, em uma comunidade, não vai apenas dar aulas, nem pode se sentir à vontade para faltar, quando outro for responsável pela aula. Ao assumir uma turma, da mesma forma que se exige presença do aluno, é necessário estar presente.

A presença, não apenas física, mas também psicológica (ou seja, em interação contínua, com alguma forma de investimento emocional), demanda dar bom dia, boa tarde, chamar pelo nome os alunos, conversar, cantar junto, rir junto, chamar a atenção (cuidado com isto, tem criança que adora ser chamada a atenção, porque não consegue reconhecimento sendo boazinha), comer junto, fazer bagunça, limpar a bagunça, arrumar a sala junto, desenhar junto, separar a briga com o colega, buscar a criança que tenta pular a janela, guardar o canivete no início da aula e devolver para a mãe ou para a criança no final da aula e todas as muitas interações, imagináveis e inimagináveis, que façam com que a criança não seja um pinto de chocadeira, mas um membro de uma ninhada.

Se o evangelizador, ou o coordenador de mocidades, ou, até mesmo, o dirigente de reuniões, é uma figura ausente, ele ensina pelo exemplo que os membros do grupo também podem ser infrequentes. Se, com suas palavras, um evangelizador pede que as crianças sejam presentes, mas, com suas ações, ele próprio falta muito às aulas, ele está promovendo de forma muito vigorosa a desagregação do grupo.

E sobrevém um círculo vicioso: a criança falta porque o evangelizador falta, e o evangelizador se desmotiva porque são poucas e infrequentes as crianças em sala. Para reverter este círculo, o evangelizador precisa ser ele a figura de referência, a primeira pessoa a estar presente.

Outra coisa importante, não se conquista a confiança de uma criança prontamente, especialmente de uma criança "escaldada", porque em seu mundo a mãe fica poucas horas com ela, entra e sai "pai" todo semestre em casa (e eles podem ser figuras psicológicas negativas), falta e muda professor todo dia na escola, isso quando elas podem se dar ao luxo de serem presentes. Da mesma forma que a namorada fica desconfiada com as promessas de um novo namorado, crianças que passam por experiências de abandono irão demorar um pouco mais e até mesmo pedir "provas de amor" de seu novo evangelizador. Vão fazer "arte" na sala de aula, vão desafiar as regras estabelecidas, vão expressar em voz alta seu descontentamento, mas, na grande maioria, irão aos poucos aceitando as regras do grupo e confiando no evangelizador, na medida em que constatam que ele "veio para ficar" e que está disposto a amá-las (amor exigente, ok?)

Quando coordenei a evangelização do Lar Espírita Esperança, tínhamos dois tipos de pessoas em sala de aula: evangelizadores e estagiários. Os estagiários eram os membros recém admitidos ao grupo, sem experiência com as atividades de evangelização. Nós geralmente os deixávamos por um mês na sala, e os passávamos ao longo do ano por várias salas de aula, para que pudessem descobrir com que idade gostariam de trabalhar, para adquirir experiência com diferentes evangelizadores e para ver se serão capazes de permanecer na equipe por um período maior, se não irão desistir diante da primeira dificuldade. Não havia muito problema com este arranjo, porque era conversado com as crianças.

Então tínhamos dois contratos psicológicos diferentes em sala de aula. O contrato do evangelizador, que é de pelo menos um ano (ou seja, a criança sabe, e deverá confirmar com o tempo, que ele irá ficar com ela por, pelo menos um ano) e o contrato do estagiário, que irá ficar por um mês, e dará ou ajudará a dar uma aula, neste período.

Os vínculos temporários, pressupõem apresentação e despedida. Vocês já viram alguma visita sair de sua casa sem despedir-se, após uma reunião íntima? O que você sentiria se deixasse uma pessoa no sofá de sua casa e logo depois ela sumisse, sem se despedir? Talvez passasse pela sua cabeça que ela se ofendeu com alguma coisa que você disse ou fez, ou que aconteceu algo muito grave que exigiu a saída repentina dela, etc. Agora imagina o que passa na cabeça de uma criança de oito, dez ou doze anos, já "escaldada" de ver pais entrarem por uma porta e saírem por outra em sua vida.

Se você quer ser um evangelizador de crianças de comunidades, tenha em mente que você tem uma responsabilidade e um contrato de um ano. Justifique suas faltas, se possível prepare as crianças para elas. Nunca as deixe com um estranho em sala de aula, nem permita que se juntem turmas sem um motivo grave. Se você sabe que vai ser infrequente ao longo do ano, então não assuma esta tarefa, ajude a equipe de outra forma, preparando material, apoiando a coordenação, servindo lanches, aplicando passes, em um lugar psicológico onde o vínculo não seja essencial.

15.9.16

NO CONTINENTE SEPARADO APENAS PELO ATLÂNTICO



Há algum tempo tenho notícias da organização chamada “Fraternidade Sem Fronteiras”. A Associação Médico-Espírita de Minas Gerais tem realizado e divulgado viagens a Moçambique onde funcionam Centros de Acolhimento. Passeando pelo site deles, encontrei três centros de acolhimento: Chimbembe, Muzumula e Barragem.

É triste ver as demandas destes lugares. Fazem lembrar o que li em Maslow, que diz que o ser humano sempre se queixará de algo, mas identificamos suas motivações a partir do conteúdo destas queixas. A fraternidade atende queixas da ordem das necessidades básicas e fisiológicas. Vejam os voluntários prospectando e perfurando um poço artesiano em Muzumula, para evitar que os moradores tenham que se deslocar a pé por um quilômetro para obter água de qualidade duvidosa.


Abaixo há um depoimento de duas meninas que falam da sua vida e do seu cotidiano em quatro minutos.




Lembrei-me de Albert Schweitzer, o musicista e teólogo europeu que foi morar em Lambarene para trabalhar em um hospital. Os críticos do cristianismo não costumam se recordar deste tipo de gestos, motivados pela mensagem cristã, e alguns deles vivem procurando máculas na história de pessoas como ele, para dizer, talvez, que se trata de uma utopia.

Como acredito nas ações voluntárias e caritativas, de preferência as que tenham efeito social, há diversas formas de apoiarmos esta ONG, incluindo o apadrinhamento de uma destas crianças por 50 reais mensais. Se você pode e se interessa, acesse o site deles:


Não deixe de se informar sobre as caravanas, caso queira ir ver de perto e ajudar de alguma forma mais pessoal.

13.9.16

COMO PARTICIPAR DO SETEMBRO AMARELO?





O suicídio é um tema-tabu em nossa sociedade, cuja omissão de informações pode prejudicar em muito a prevenção. Por esta razão criou-se o Setembro Amarelo, que é um incentivo a discutir-se o tema.

Contudo, alguns amigos e leitores relataram incômodo com o tipo de conteúdos que têm sido veiculados na internet. Isto levantou a seguinte pergunta: O que se deve falar sobre suicídio? 

Um livro recente, escrito por André Trigueiro, que é profissional de jornalismo, nos dá algumas dicas:

1. Evitar repetição de histórias sobre suicídio
2. Recorrer a fontes confiáveis e comentários de especialistas para evitar divulgar mitos.
3. Evitar explicações simplistas para o suicídio (do tipo: ele suicidou porque...)
4. Dar visibilidade à relação que existe entre suicídio e transtornos mentais (principalmente depressão e alcoolismo)
5, Evitar a "glamourização" de quem comete suicídio
6. Cuidado na divulgação de suicídios de celebridades
7. Cuidado nas informações sobre quem se matou (geralmente se elogia as pessoas mortas, destacando suas virtudes e omitindo seus problemas. Isto pode ser mal interpretado como um elogio ao suicídio)
8. Apresentar histórias de pessoas que superaram o problema
9. Evitar detalhes sobre o método utilizado
10. Divulgar informações sobre onde conseguir ajuda
11. Evitar a palavra suicídio na manchete
12. Não publicar fotos do falecido
13. Não permitir que o texto associe a palavra suicídio a êxito, saída, opção ou solução
14. Evitar linguagem sensacionalista
15. Informar sobre sinais de alerta e onde procurar ajuda
16. Se o profissional de jornalismo que escreveu sobre o assunto sentir-se afetado, deve procurar ajuda
17. Publicar sobre fatores de risco para o suicídio: doença mental, idéias suicidas, antecedentes pessoais ou familiares de comportamento suicida, falta de apoio familiar e social, maus tratos físicos e psicológicos.

Adaptado de "Viver é a melhor opção". Autor: André Trigueiro. Editora: Correio Fraterno

12.9.16

ASSISTA EM VIDEO AS PALESTRAS DO 12o. ENLIHPE



Maurício Brandão, do portal Espiritualidade e Sociedade, concluiu a publicação das gravações das mesas e palestras do Encontro Nacional da Liga de Pesquisadores do Espiritismo. Ele apresenta em sua página uma síntese do conteúdo apresentado e o link para o vídeo no youtube. Os trabalhos aparecem na ordem de apresentação no evento.

Confira!

http://www.espiritualidades.com.br/Liga/12_ENLIHPE_2016/12_ENLIHPE_2016_como_foi.htm


8.9.16

ENCONTRADO O LIVRO QUE HERMÍNIO MIRANDA PERDEU.



Já comentamos anteriormente no EC sobre a faculdade de psicometria, e sobre um de seus mais clássicos livros: "The soul of things, or psychometric researches and discoveries" (A alma das coisas, ou pesquisas e descobertas psicométricas), de William e Elizabeth Denton. Veja em http://espiritismocomentado.blogspot.com.br/2013/01/o-que-e-psicometria.html

Hermínio Miranda, em uma época na qual não havia internet, conseguiu um dos originais do livro com muita pesquisa e pôs-se a traduzi-lo. Depois de meses de tradução para o português, quando o trabalho estava na "reta final", ele perdeu os arquivos em seu HD. Desistindo do projeto, escreveu uma espécie de resumo comentado do livro, que a editora Lachâtre publicou com o título de "Memória Cósmica".

Conversando com o Fernando Lebre, ontem, ele me passou o link do livro no site archive.org, que repasso aos interessados que saibam ler em inglês:



Pesquisei também na Amazon.com e encontrei exemplares publicados mais recentemente para vender, então repasso aos leitores:




https://www.amazon.com.br/s/ref=nb_sb_noss?__mk_pt_BR=%C3%85M%C3%85%C5%BD%C3%95%C3%91&url=search-alias%3Dstripbooks&field-keywords=The+soul+of+things+or+psychometric&rh=n%3A6740748011%2Ck%3AThe+soul+of+things+or+psychometric

Quem sabe se da leitura deste livro não surgem novas informações e artigos úteis ao movimento espírita?

31.8.16

O 12o. ENLIHPE SE FOI: QUE VENHA O 13o.

Mesa de encerramento do 12o. ENLIHPE: Da esquerda para direita - Raphael Vivacqua Carneiro (FEES), Jáder Cabral (UEM), Paulo Mourinha (FEP), Marco Milani (LIHPE), Júlia Nezu (USE-SP), Pedro Nakano (CCDPE-ECM) e Eurípedes (FEEGO)


Chegamos ao final do 12o. ENLIHPE que teve por tema Mediunidade: História e Pesquisa.

O sábado pela manhã foi ocupado com uma mesa de estudos sobre história da mediunidade, que trataram das pesquisas anteriores e contemporâneas a Allan Kardec (Marcelo Gulão), do próprio trabalho de Kardec (Jaqueline), da vida de um interessante luso-brasileiro, Batuíra (Fausto) e do emprego de métodos de história oral como fontes históricas, assim como das principais escolas de pensamento histórico (Adolfo).

A tarde iniciou-se com uma entrevista gravada com o médium Fernando Ben, que falou de suas faculdades e orientações (Marco Milani), das pesquisas do Instituto Windbridge, nos Estados Unidos, hoje (Jáder Sampaio) e de uma revisão de pesquisas psicológicas e fisiológicas com médiuns, um paralelo com doutrinas orientais (Yoga, principalmente) e as teorias explicativas contemporâneas em curso (Adilson Assis)

A tarde encerrou-se com o lançamento dos livros: "Novos estudos sobre a reencarnação", organizado pela coordenação do ENLIHPE e "Os fantasmas e suas aparições", traduzido por mim.



Da esquerda para a direita: acima - Adilson Assis, Pedro Nakano, Marcelo Gulão e Marco Milani. Abaixo - Alexandre Rocha, Jáder Sampaio e Júlia Nezu

O domingo começou com a reunião administrativa da LIHPE, que teve por resultados a ampliação da comissão organizadora, com a inclusão de Gilmar Trivelato, Marcelo Gulão e Alexandre Ramos de Albuquerque. A coordenação geral ficou a encargo de Marco Milani até o próximo encontro nacional e o tema do próximo encontro será "Preces e curas espirituais". 

Quatro núcleos regionais da LIHPE iniciarão reuniões: em Lisboa - Portugal, tendo como articulador o Dr. Paulo Mourinha, em Vitória, no Espírito Santo, tendo como articulador o Raphael Vivacqua Carneiro, em São Paulo, tendo como articuladores Marco Milani, Júlia Nezu e Pedro Nakano, e finalmente em Belo Horizonte - MG, tendo como articuladores Jáder Sampaio e Jáder Cabral.

Uma comissão irá pensar o marketing do encontro, composta por Pedro Nakano, Sílvio e Romeu.

Gilmar Trivelato irá compor uma equipe de apoio em metodologia de pesquisa, para auxílio dos interessados em apresentar trabalhos ou realizar estudos.



Ada May, Jáder Sampaio e Alexandre Rocha

Após a reunião administrativa, o ENLIHPE recebeu a visita de Adriano Marques, o mochileiro, jornalista responsável pelo programa Roteiro, da Rádio Boa Nova. Em breve teremos o resultado das entrevistas que ele fez com diversos participantes do encontro.

A primeira mesa do domingo teve como convidados Ada May, que veio lançar seu livro A Terra da Promessa e ainda nos falou sobre o livro O Cético. Alexandre Rocha, do Instituto Lachâtre, deu notícias de dois autores franceses que tiveram alguns de seus livros traduzidos para o nosso idioma pela editora: François Gaudin (pesquisador da vida de Maurice Lachâtre, e que agora está pesquisando Rivail) e Jean Prieur, de 102 anos, que teve seu livro "Allan Kardec e sua época" e "Hitler, médium das trevas" traduzidos no último biênio.




A última sequência de exposições foi composta pelo jovem Antônio Marcos, que fez uma revisão extensa de estudos sobre mediunidade, Guilherme Velho, que falou da mediunidade de Fernando Ben e mostrou resultados de Transcomunicação Instrumental e do Dr. Paulo Mourinha, que nos apresentou uma síntese da história do espiritismo em Portugal.

O evento foi bastante dinâmico e atraiu pessoas de diversos estados brasileiros, como São Paulo, Minas Gerais, Rio de Janeiro, Espírito Santo e Goiás. A USE-SP nos recebeu em seu auditório no bairro paulistano de Santana e a comissão organizadora não poupou esforços para acolher e alimentar bem os participantes.

Foram muitos os encontros e conversas, muitas pessoas que antes eram apenas um nome na tela de computador e que se aproximaram, conheceram, "trocaram figurinhas". O 12o. ENLIHPE tem tudo para gerar um belo livro sobre mediunidade em 2017, mas agora iremos redobrar esforços para divulgar o recém lançado "Novos estudos sobre a reencarnação".



Faltou um destaque maior para apresentação da obra da homenageada, a médium Yvonne A. Pereira, que não apenas foi médium romancista de renome nacional, como produziu um imenso material de reflexão teórica sobre a mediunidade em seus livros "Recordações da Mediunidade", "Devassando o invisível", "Memórias de um suicida" e todos os artigos que publicou na revista Reformador com o pseudônimo Frederico Francisco (em homenagem a Chopin).



26.8.16

ALEXANDRE ROCHA FALA DE AUTORES FRANCESES DO ESPIRITISMO NO 12o.ENLIHPE




Dois franceses tiveram seus trabalhos recentemente traduzidos para a língua portuguesa nos últimos anos, quando já se pensava que a produção intelectual sobre o espiritismo fosse exclusividade de autores brasileiros.

François Gaudin é um professor da Universidade de Rouen, que dedicou as duas últimas décadas ao estudo de Maurice Lachâtre, inicialmente como lexicógrafo, mas posteriormente como divulgador do espiritismo. Eu encontrei pelo menos nove itens de produção (tese, artigos, comunicações em eventos, etc.) em seu currículo.



Jean Prieur já tem um perfil diferente. Francês de Lille, nascido em 1914, continua conosco aos quase 102 anos. Da área das letras, foi professor de francês e latim, com formação em literatura francesa  e em estudos latinos.
Em português, Prieur teve traduzido o seu “Allan Kardec e sua época”, que é um delicioso passeio pela pela França da época de Kardec, pela vida do fundador do espiritismo e pelas pessoas mais próximas a ele, como Amelie Gabrielle Boudet, Mme. Rivail. Gaudin, por sua vez, teve uma instigante biografia de Maurice Lachâtre publicada no livro “O espiritismo: uma nova filosofia.”


Alexandre Rocha, editor da Lachâtre, foi conhece-los na França pessoalmente, e vai falar um pouco destas duas personalidades curiosas e laboriosas para os participantes do 12º. ENLIHPE, no domingo próximo.


A TERRA DA PROMESSA: ESTE LIVRO SERÁ LANÇADO NO 12o. ENLIHPE



Ada May estará conosco na manhã de domingo do 12o. ENLIHPE para lançar seu novo livro: A Terra da Promessa

Resumo da história:

“O francês Charles Lantier, médico recém-formado, graças a seu excepcional desempenho acadêmico, tem a honra de ser admitido como assistente do renomado pesquisador dos chamados fenômenos psíquicos, Albert de Rochas.
Debaixo dessa extremada orientação, o jovem Charles seguirá aprendendo as técnicas da ciência da magnetização e tomará parte em experiências inovadoras, até que um súbito revés do destino o colocará diante de uma grave ameaça que o transformará num pária, obrigado a fugir de seu mundo na calada da noite, abandonando tudo e todos.
Será graças a esse terrível revés que Charles irá aportar em terras brasileiras, onde apesar de todas as adversidades, terá que recomeçar humildemente. Porém, a providência divina tratará de ajudar esse médico e magnetizador idealista, ao colocar em seu caminho um personagem luminoso, o médico e grande filantropo, Adolfo Bezerra de Menezes.
A ‘Terra da promessa’ narra a história dessas pessoas, que com seu trabalho e abnegação, fizeram com que a luz da espiritualidade maior chegasse ao coração de uma multidão de sofredores do corpo e da alma que cruzaram seu caminho.” 

O contexto da história, enviado pela editora.

"Ao final do século 19 o mundo se transformava rapidamente, atravessando uma fase de franca ebulição no panorama político-social, porém, a transformação se tornava ainda mais evidente na área do conhecimento científico. Pesquisadores, médicos e cientistas de várias nações tentavam dissecar e compreender o maior de todos os desafios: a mente humana. Nesse período a ciência viu-se dividida entre os pesquisadores que aceitavam a condição espiritual do homem, contra os que tinham uma visão puramente materialista. Retomando acirradamente um antigo embate, a ciência dita ‘moderna’ tentava a todo custo desvencilhar-se das ancestrais amarras morais ditadas pelas religiões.

Por muito tempo renomados cientistas, alguns dedicados exclusivamente à magnetização, como Mesmer, o barão du Potet, o marquês de Puységur, Charles Lafontaine, François Deleuze, Alphonse Bouvier, Albert de Rochas, Lombroso, Charles Richet e tantos outros, estudaram os fenômenos mediúnicos que a ciência não conseguia explicar satisfatoriamente.  Esses homens dedicaram suas vidas a dissecar e explicitar os fenômenos mediúnicos, cujas teorias os levaram à conclusão de que o ser humano não poderia ser separado de sua porção espiritual enquanto vivesse e que, mesmo após sua morte, essa porção espiritual se manteria viva e ativa como as renitentes pesquisas tantas e tantas vezes comprovaram. Foram impressos quilômetros de linhas na tentativa de fazer valer a visão científica de que a mente humana não se extingue com a morte física do cérebro, justamente porque está atrelada à porção espiritual do indivíduo, que se conserva mesmo após a morte.

A “Terra da promessa” é uma ficção baseada em fatos históricos, cuja extensa pesquisa pretende homenagear os dedicados cientistas e pesquisadores que, imbuídos de corajoso espírito científico, desbravaram os mistérios da mente humana, para provar peremptoriamente que os fenômenos mediúnicos que observaram eram reais e que foram submetidos a paciente observação e experimentação que os comprovou acima de qualquer suspeita.

Assim sendo, é graças também ao exaustivo trabalho realizado por esses homens devotados que a ciência atual pôde finalmente retomar a estrada do aprendizado luminoso que, ao vencer grandes preconceitos, realinha-se com a nova etapa evolutiva pretendida para esse milênio, que reconhece o homem como ser espiritual, pré-existente e sobrevivente à realidade puramente material do indivíduo."

*                      *                     *

Além de lançar o livro, Ada May irá conversar sobre ele, respondendo a perguntas e respostas, e irá autografá-lo para os interessados. Um momento precioso para o 12o. ENLIHPE.

25.8.16

ANTÔNIO MARCOS DE OLIVEIRA: 12o. ENLIHPE


Uma de nossas boas surpresas do ENLIHPE deste ano é o acadêmico do primeiro ano do curso de medicina da Universidade Federal de Alfenas: Antônio Marcos de Oliveira.

Antônio vai apresentar o trabalho: "A mediunidade alegada por muitas pessoas é uma evidência de relação mente-corpo alternativa"?

Trabalhos como o de Antônio mostram que não é exigido que as pessoas tenham títulos de mestrado ou doutorado para aprovar artigos nos ENLIHPEs. 

Antônio é espírita e frequenta o Grupo de Auxílio Fraterno Amélia Zambelli, de Presidente Prudente - SP.

22.8.16

FAUSTO HENRIQUE GOMES NOGUEIRA: 12o. ENLIHPE



O Dr. Fausto Henrique Gomes Nogueira, é historiador, mestre e doutor em História Social pela Universidade de São Paulo. Sua tese de doutoramento intitula-se "Os espíritos assombram a metrópole: sociabilidades espiritualistas (espírita e esotérica) em São Paulo na primeira república". A tese pode ser acessada no Banco de Teses e Dissertações da USP, no link abaixo:

http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/8/8138/tde-11032016-160523/pt-br.php

Fausto é professor efetivo de história no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo. Estudou as primeiras associações e periódicos espíritas produzidos em São Paulo.

Espírita desde a adolescência, atuo no Centro Espírita Bezerra de Menezes, no bairro da Penha.

No 12o. ENLIHPE teve aprovado o trabalho: "Batuíra: espiritismo, livre-pensamento e anticlericalismo"

20.8.16

JAQUELINE P. V. SILVA: 12o. ENLIHPE




Jaqueline é aluna do Mestrado em História da Universidade Federal de Uberlândia, no qual está desenvolvendo a dissertação: "O primeiro colégio espírita do Brasil: história, memórias, metodologia de ensino e aprendizagem". Graduada em história (UFU), é também graduanda em pedagogia (UFU) e especialista em supervisão e inspeção escolar (UNIASSELVI)

Ela já apresentou trabalhos baseados em sua pesquisa em três eventos da área de história e esteve conosco no 11o. ENLIHPE, ano passado.

Este ano ela apresentará o trabalho "Origens: espiritismo, mediunidade e a sistematização de Allan Kardec nas obras O Livro dos Espíritos e O Livro dos Médiuns"

19.8.16

PAULO MOURINHA (PORTUGAL) NO 12o. ENLIHPE



Paulo Mourinha
O Dr. Paulo Mourinha, português, está na LIHPE há muitos anos, mercê de um intercâmbio-amizade com Eduardo Carvalho Monteiro, que conheceu no Grupo Espírita Batuíra. Com Eduardo fez uma parceria no livro "Chico Xavier e Isabel, Rainha Santa de Portugal. Ano passado nos aproximamos mais, em função dos trabalhos do Primeiro Encontro França Brasil, através de um dos coordenadores que esteve na Europa acertando detalhes com o movimento espírita europeu.

Paulo enviou-nos o seu livro “Uma história Luso Brasileira”, publicado pela Federação Espírita Portuguesa. Nele, as biografias de espíritas portugueses que viveram no Brasil ou não, se multiplicam. Leão Pitta, por exemplo, que eu conhecia de um livro que narrava uma palestra para crianças, tem recuperada sua memória, que se cruza com a de Pedro de Camargo.

Cientes de que Paulo viria ao Brasil por época do 12º. ENLIHPE, para fazer uma viagem de estudos, fizemos o convite para fazer uma conferência e autografar seus livros, gentilmente enviados pela Federação Espírita Portuguesa.

Paulo é licenciado em medicina com graduação em homeopatia (Devonshire Medical School), pós-graduado em medicina tradicional chinesa (Universidade Pedro Choy - Lisboa), mestre em psicologia clínica (Instituto Superior de Psicologia Aplicada) e em antropologia (Universidade Nova de Lisboa) e doutor em neurociências (Universidade Nova de Lisboa). 

Ligado ao movimento espírita, fez parte do Grupo Espírita Batuíra de Algés, Casa do Caminho de Lisboa, Centro de Cultura das Caldas da Rainha, entre outros. Membro-fundador da editora Verdade e Luz, sendo atualmente colaborador da Federação Espírita Portuguesa. Participa da comissão organizadora do 8o. Congresso Espírita Mundial, que acontecerá em Lisboa, no mês de outubro próximo.

Aguardamos com interesse esta bela possibilidade de intercâmbio cultural e de conhecimento da história do espiritismo em nas terras portuguesas .

17.8.16

MARCELO GULÃO PIMENTEL: MAIS UM EXPOSITOR DO 12o. ENLIHPE



Estamos recebendo como conferencista no ENLIHPE pela primeira vez o Prof. Marcelo Gulão Pimentel, mas ele já nos conhece há mais tempo, uma vez que participou do 4º. ENLIHPE. Eu o conheci mais proximamente no Nupes-UFJF, organizando o evento de divulgação do livro “Diálogo com os céticos”, de Alfred Russel Wallace, traduzido por nós. Ele discutiu seu trabalho de mestrado, que já estava bem avançado e que gerou a dissertação: “O método de Allan Kardec  para investigação dos fenômenos mediúnicos (1854-1869)


Marcelo é historiador (UERJ), especialista em história moderna (UFF) e mestre em saúde (UFJF) na linha de pesquisa de história e filosofia das pesquisas em espiritualidade. Atualmente cursa doutorado no Programa de Pós Graduação em História Política (UERJ). Tem apresentado trabalhos em diversos eventos organizados por instituições  ligadas à história, como a Associação Nacional de Pós-Graduação em História (ANPUH) e a Associação Brasileira de História das Religiões (ABHR).


Tive a satisfação de coordenar a mesa composta pelo Prof. Marcelo e pelo Dr. Alexander Moreira-Almeida no I Encontro França-Brasil de Cultura e Pesquisa Espírita, na UERJ, em 2015, quando ele apresentou um trabalho baseado no tema central de sua dissertação. 

15.8.16

ADOLFO DE MENDONÇA FILHO NO 12o. ENLIHPE




Encontrei Adolfo, pela primeira vez, no 4o. ENLIHPE, apresentando o trabalho “José Marques Garcia: Pioneiro da História do Espiritismo em Franca”, que foi publicado no livro “Pesquisas sobre o espiritismo no Brasil”. Ele, contudo, é dos poucos membros da LIHPE ainda ativos que participou do 1o. ENLIHPE em Goiânia, paralelo ao Congresso Espírita Brasileiro, em 1999.

O Prof. Adolfo é historiador pela Unesp, com especialização pela UNIFRAN. 

Em 2012, no 8o. ENLIHPE apresentou o trabalho "Ciência espírita:objetos, limites e método de pesquisa. No ano passado ele apresentou o tema "Allan Kardec, a ciência e o racismo". https://www.youtube.com/watch?v=MQo-ciccr7M

Adolfo tem apresentado trabalhos na Associação Brasileira de História Oral, onde trata da temática espírita. Dois deles podem ser lidos em:


Adolfo trabalha como professor de história e é ligado ao movimento espírita, tendo ocupado o cargo de diretor na USE-SP e na federativa local.


12.8.16

TIAGO PAZ E ALBUQUERQUE NO 12o. ENLIHPE



Tiago no ENLIHPE de 2012


O professor Dr. Tiago Paz e Albuquerque é docente da Universidade Federal de Campina Grande - Paraíba.

Tiago irá apresentar o trabalho "A comunicação com os espíritos e sua crença na sociedade brasileira: análise de diferentes grupos religiosos". Ele participou dos encontros da LIHPE, se não falha a memória, desde que começaram a ser realizados em São Paulo.

Tiago é mestre e doutor em Psicologia Social, onde pesquisa temas relacionados à representação social e ao espiritismo, ou seja, a forma como o espiritismo é apreendido pela sociedade ou por grupos sociais. 

Em 2009 ele defendeu uma dissertação com o título: "A representação social de perfeição na memória das personalidades do Espiritismo" e, em 2013, defendeu a tese "Chico Xavier e o mundo dos espíritos: um estudo de representações sociais". http://www.febnet.org.br/blog/geral/pesquisas/teste-dissertacoes-1/


Nos encontros da LIHPE, já publicou um capítulo do livro "O espiritismo visto pelas áreas de conhecimento atuais", fruto de um trabalho de disciplina do seu curso de doutoramento, no qual lista e analisa 172 teses e dissertações sobre o espiritismo no meio acadêmico brasileiro, ao mesmo tempo em que mostra uma tendência de aumento desta produção ao longo do tempo. O trabalho dele pode ser assistido em https://www.youtube.com/watch?v=-ZnkennWiXc

As teses e dissertações foram apresentadas rapidamente neste caderno de resumos: http://docslide.com.br/documents/2010-albuquerque-tp-caderno-de-resumos-o-espiritismo-em-teses-e-dissertacoes.html

Tiago criou uma base de dados contendo todas as teses e dissertações disponibilizadas para acesso público e as disponibilizou na internet. 

A contribuição das pesquisas de Tiago para o conhecimento do espiritismo em nossa sociedade brasileira ainda irá gerar muitos frutos futuros. Aguardo com interesse o seu trabalho no ENLIHPE deste ano.





10.8.16

FICOU MAIS FÁCIL INSCREVER NO 12o. ENLIHPE



Ficou mais fácil a inscrição para o 12o. Encontro Nacional da Liga de Pesquisadores do Espiritismo. 

1. Acesse o site do Centro de Cultura, Documentação e Pesquisa do Espiritismo - Eduardo Carvalho Monteiro e preencha seus dados: http://www.ccdpe.org.br/2016/06/12-enlihpe-encontro-nacional-da-liga-dos-pesquisadores/

2. Recolha a taxa de inscrição e envie o comprovante para 12enlihpe@ccdpe.org.br

3. Aguarde o email de confirmação da inscrição

Abaixo uma síntese dos expositores e trabalhos que serão apresentados no 12 ENLIHPE:



5.8.16

MEMÓRIA ESPÍRITA DO ESTADO DE GOIÁS



Já se vão dezessete anos que o estudioso Eduardo Carvalho Monteiro idealizou e partiu para o trabalho de congregar estudiosos espíritas em torno de uma rede que permitisse a troca de informações e a preservação da memória do movimento espírita. Ele não era historiador de formação, mas certamente era memorialista de coração, e mesmo sem conhecer as grandes escolas da história, dispôs-se a procurar fontes, recuperar documentos, pesquisar livros raros, digitalizar o que pudesse e escrever livros de memória do movimento espírita.

Esta raiz do que hoje se tornou a LIHPE, está presente no pensamento dos que participaram dos primeiros anos de trabalho e embora a ênfase na memória não seja mais o propósito central da Liga, continua a ser um de seus pilares.

Não me lembro ao certo do ano, acho que foi em 2009, quando recebemos no evento a participação dos irmãos Airton e Eurípides Veloso de Matos, fruto do convite do então presidente da União Espírita Mineira, Marival Veloso de Matos.
Eles nos brindaram com sua simpatia infinita, com sua alegria e com uma curiosidade imensamente positiva. A impressão que tínhamos é que estavam em casa, aproveitando o evento como se estivessem visitando os parentes que não viam há muito.

Não sei em qual das nossas conversas veio a proposta, meio que desafio. Por que eles não escreviam sobre a história do movimento espírita de Goiás? Estavam radicados há muito e eram trabalhadores da FEEGO. 

Os convites são curiosos. Muitas pessoas nem reagem a eles. Algumas costumam dizer que não são capazes ou não estão prontas, respostas socialmente mais aceitas que dizer: "Isto dá muito trabalho" ou então, "Isto não interessa". Mas a reação dos dois foi diferente.

Sentimos falta dos irmãos no encontro seguinte, eles realmente haviam deixado saudades. Durante a organização do próximo ENLIHPE, eis que temos boas notícias. Eles haviam escrito um livro no contexto de um projeto denominado "Memória Espírita do Estado de Goiás", encampado pela Federativa.




Em 2011, os dois voltaram ao ENLIHPE para autografar a primeira pérola do seu projeto, o livro "Os primórdios do Espiritismo em Goiás". Cabelos grisalhos, riso fácil, fizeram um trabalho que soma capacidade de articulação, regionalismo, reflexão e contribuição para a memória espírita. 



Um ano depois, em 2012, veio a segunda pérola: Raízes Espíritas, Região Metropolitana, onde tratam de Chico Xavier e do espiritismo no triângulo mineiro, da influências geo-politicas na expansão do espiritismo em Goiás, do Centro Espírita Aprendizes do Evangelho e da União Espírita Goiana, sobre a sociedade goiana e alguns dos principais Centros Espíritas na região metropolitana, além das biografias de 28 espíritas, considerados pioneiros do Movimento Espírita Goiano. No final, algo para todos consultarem: uma cronologia de acontecimentos sobre o espiritismo em Geral, com a inserção dos principais eventos em Goiás.

Os dois, realmente, colocaram Goiás no mapa! Em grande estilo. E penso que fizeram justiça a trabalhadores que conheci, como Romeu Pelá, cuja história de vida não poderia ser varrida para o Letes do esquecimento.

Continuo com saudades dos dois. Vejam que não estou só nas minhas memórias sobre sua participação nos ENLIHPEs: 



27.7.16

INSCRIÇÕES E PROGRAMAÇÃO DO 12o. ENLIHPE





A Liga de Pesquisadores do Espiritismo - LIHPE realiza nos dias 27 e 28 de agosto o seu 12o. Encontro Nacional. As inscrições estão abertas e podem ser feitas por depósito bancário e envio de ficha de inscrição por email.

A taxa de inscrição, que contempla dois cafés da manhã e três coffee breaks, é de quarenta reais, e pode ser depositada na conta do Centro de Cultura, Documentação e Pesquisa do Espiritismo - Eduardo Carvalho Monteiro, que organiza voluntariamente o evento. As taxas de inscrição cobrem as despesas gerais do evento, não havendo finalidade lucrativa. Se porventura houver alguma sobra financeira, ela será direcionada para o CCDPE-ECM, que é organização sem fins lucrativos. A ficha de inscrição e informações sobre depósito estão disponíveis em: http://www.lihpe.net/wordpress/?p=1663

Recomenda-se inscrever antecipadamente, porque as vagas são limitadas.

O evento acontecerá na sede da União das Sociedades Espíritas do Estado de São Paulo, em Santana, na Rua Dr. Gabriel Piza 433. Mais informações podem ser obtidas no telefone 011 - 98322-6570 (Marlene)

A programação é a seguinte:



PROGRAMAÇÃO – 27/08/16


Sábado (manhã)

8h00        Recepção, credenciamento e entrega de material

8h20        Prece de Abertura

8h25        Apresentação artística

8h35        Palavras iniciais: LIHPE / CCDPE-ECM / USE

9h00        Marcelo Gulão PimentelAs investigações dos fenômenos psíquicos/espirituais no século XIX: sonambulismo e espiritualismo, 1811-1860

9h30        Fausto Henrique Gomes NogueiraBatuíra: espiritismo, livre-pensamento e anticlericalismo

10h00      Jaqueline Peixoto Vieira da Silva – Origens: espiritismo, mediunidade e a sistematização de Allan Kardec nas obras O Livro dos Espíritos e O Livro dos Médiuns

10h30      Intervalo

11h00      Adolfo de Mendonça Junior Psicofonia, história oral e fontes históricas

11h30      Perguntas e comentários a todos os apresentadores da manhã

12h00      Orientações gerais e intervalo para o almoço


Sábado (tarde)

13h45      Atividade artística

14h00     Marco Milani: entrevista com o médium Fernando Ben

14h30      Jáder Sampaio - As pesquisas sobre mediunidade realizadas pelo Instituto Windbridge

15h00     Adilson Assis – Os fundamentos biopsicológicos da mediunidade: revisão da literatura e sugestões de pesquisas futuras

15h30      Perguntas e comentários aos apresentadores da tarde

16h00      Intervalo

16h30     Sessão de lançamento de livros e autógrafos:

       Os fantasmas e suas aparições de Alfred Russel Wallace, ed. Lachatre. Tradução de Jáder Sampaio
       Novos Estudos sobre a Reencarnação (7º livro da série Pesquisas Brasileiras sobre o Espiritismo) – Júlia Nezu (USE), Pedro Nakano (CCDPE) e Marco Milani (LIHPE)
       Outros autores a confirmar


17h30      Encerramento das atividades do dia 


PROGRAMAÇÃO – 28/08/16


Domingo

8h00        Assembleia da LIHPE

9h00        Prece de Abertura e comentários gerais

9h10       Tiago Paz e Albuquerque A comunicação com os espíritos e sua crença na sociedade brasileira: análise de diferentes grupos religiosos

9h40       Antônio Marcos de Oliveira – A mediunidade alegada por muitas pessoas é evidência de uma relação mente-corpo alternativa?

10h10     Guilherme Velho – Resultados das pesquisas envolvendo Transcomunicação Instrumental (TCI)

10h40      Paulo Mourinha (Portugal) – autor do livro Uma História Luso Brasileira e membro da LIHPE

11h10     Perguntas e comentários a todos os apresentadores da manhã

11h40      Comentários finais e prece de encerramento