22.5.17

PSICOPATIA E DEVER DOS PAIS



Acabo de ler o livro "Mentes Perigosas", da psiquiatra Ana Beatriz Barbosa Silva e me ocorreram muitos pensamentos entre o espiritismo e o conteúdo do livro.

Minha colega-psi trata com clareza e simplicidade um tema que era muito pouco ensinado quando fiz minha formação de psicologia: a psicopatia. Ela evitou as discussões conceituais (sociopatia, etc.) e focalizou-se no entendimento das pessoas que não conseguem estabelecer vínculos de afeto com ou outros, que se relacionam com as outras pessoas como se fossem "coisas, alvos, objetos, objetivos, etc." 

Na explicação da psiquiatra, é possível que haja uma base orgânica para este transtorno. Certas áreas do cérebro, normalmente excitadas ante imagens de violência pela maioria das pessoas aos olhos de um exame de imagem (ressonância magnética), por exemplo,  não apresentam o mesmo grau de respostas quando pessoas sabidamente psicopatas são submetidas ao mesmo estímulo.

Deu inúmeros exemplos da sua clínica pessoal (evitando identificações, claro) e de casos que foram à mídia (evitando afirmações contundentes). Mostrou pessoas que em um grau menor (psicopatia leve) a um grau maior (psicopatia grave) são capazes de explorar o próximo, roubá-lo, fazê-lo sofrer e até torturá-lo, manipular pessoas em organizações, só para o seu prazer pessoal ou sua ascensão, sem qualquer sentimento de culpa, sem hesitações de origem ética ou preocupações, mesmo que suas vítimas sejam pais, mães, irmãos ou filhos.

Aceita a tese central da autora, alguns pontos merecem ser pensados à luz do espiritismo. Um deles é o da responsabilidade dos pais. Em "O evangelho segundo o espiritismo", muitos expositores destacam e focam a frase do texto de Santo Agostinho "Que fizestes do filho confiado à vossa guarda!", mas se esquecem de um parágrafo mais à frente que diz;

"Quando os pais hão feito tudo o que devem pelo adiantamento moral de seus filhos, se não alcançam êxito, não têm que inculpar-se a si mesmos e podem conservar tranquila a consciência. À amargura, muito natural que então lhes advém da improdutividade dos seus esforços, Deus reserva grande e imensa consolação, na certeza de que se trata apenas de um retardamento, que concedido lhes será concluir noutra existência a obra agora começada e que um dia o filho ingrato os recompensará com seu amor."

A psiquiatra narra histórias de pais e cônjuges que se recusam a aceitar que seus afetos não são não apenas incapazes de lhes corresponder o vínculo, como são capazes de prejudicá-los. No caso dos pais, há quem fique se culpando eternamente pelos erros que os filhos cometem, e alguns clientes levam anos para aceitar que seus filhos não são capazes, nesta encarnação de lhes corresponder as expectativas de honradez.

Neste caso, é preciso superar a culpa para agir de forma a proteger-se e a proteger outras pessoas que se consideram amigos do filho psicopata (só se usa esta categoria clínica para adultos).

Achei interessante que Santo Agostinho reconhece que a regeneração de um psicopata (embora não use este conceito), só poderá se dar no futuro, em outra encarnação. 

Outro ponto importante que a psiquiatra destaca, é que o ambiente pode afetar o desenvolvimento da psicopatia, ou seja, embora não seja possível transformar totalmente um psicopata adulto, se ele for criado em um ambiente não permissivo, poderá não cometer atos graves. Está bem de acordo com nosso compromisso com os filhos, de pai e mãe, e da importância de ensinar valores, respeito, e submissão à lei e às normas devidamente estabelecidas pelas instituições justas.

Por fim, recordei-me muito dos casos de psicopatia apresentados pela literatura espírita, como o obsessor Gregório, do livro Libertação. O que foi capaz de promover mudança em um espírito endurecido no mal, após diversas encarnações, foi a experiência do amor que ele trazia lá no fundo de sua alma. Mesmo que não consigamos nada em uma encarnação, tratar filhos pequenos com tendências psicopatas com afeto pode ser um "gatilho" para o futuro, mas dentro das perspectivas do "amor exigente" que não fecha olhos para os deveres deles.

16.5.17

ESTUDO SEM CONTEÚDO

Raul Teixeira, expositor e médium espírita


Uma de minhas grandes influências na formação como espírita foi o professor Raul Teixeira. Eu o conheci ainda na adolescência e pelo menos uma vez ao ano ele vinha em nossa casa. Físico, com um conhecimento amplo das obras de Kardec, dos clássicos, das obras complementares e de autores encarnados, como Carlos Imbassahy e Deolindo Amorim, que ele conheceu, Raul era um misto de orador e professor, sempre trazendo conteúdo com um raciocínio claro e direto.

Raul sempre exprimia, de forma clara, a posição doutrinária e a sua interpretação em suas exposições, e cobrava de nós a precisão do que falávamos. Certa vez ele perguntou quem era Andrew Jackson Davis ao público, e como ninguém respondesse, eu arrisquei:

- Médium norte-americano do século XIX, considerado o profeta da terceira revelação, autor de Penetrália e outros livros.

Ele anuiu, mas corrigiu:

- Terceira revelação fica por conta do Jáder, ele é considerado profeta da nova revelação.

Ele tinha razão. A ideia de três revelações está em Allan Kardec, e não era empregada (talvez por desconhecimento mesmo) pelos autores ligados ao espiritualismo moderno, de onde se origina Davis.

Ao contrário do que se pode pensar, suas exposições não eram excessivamente eruditas. Penso que ele se preocupava em falar para o grande público, embora sempre trouxesse alguma coisa nova, fruto de sua pesquisa pessoal, muitas vezes embaladas com sua grande capacidade narrativa.

Posteriormente estudei didática do ensino superior, com o professor Florêncio, da Universidade de Brasília, e ele nos explicou o método indutivo na educação, que é amplamente utilizado no movimento espírita, como uma espécie de provocação para que os alunos pensem e não percam a linha de raciocínio do professor, que apenas expõe. É algo que se deve fazer com critério, porque se pode consumir muito tempo, e sacrificar o conteúdo das aulas.

Sócrates usava deste recurso, pelo que lemos nos textos de seus discípulos, e o chamava de maiêutica, como comparação ao trabalho de sua mãe, que era parteira. Na maiêutica, acredita-se que os alunos conhecem a verdade (episteme), então o professor faz perguntas, geralmente criticando e apontando os pontos obscuros de sua argumentação, até que o aluno chegue à verdade (e não à sua verdade, como diz o Houaiss). Os gregos influenciados pelo pensamento socrático entendiam que mais que uma opinião (doxa), o conhecimento (episteme) deveria ser verdadeiro e justificado.

Sócrates se opunha aos sofistas, que ensinavam retórica, no sentido de ser capaz de convencer os outros de seu ponto de vista, sem se preocupar com a verdade, mas apenas com a imposição de seu ponto de vista. Isto está bem atual em nosso país. Os sofistas eram muito valorizados pelos pais que desejavam que os filhos fossem importantes, em uma sociedade na qual os cidadãos decidiam o que fazer na cidade (polis) de forma democrática.

Vimos acompanhando ao longo dos anos um uso indevido do método indutivo, nas casas espíritas, e, talvez nas mocidades espíritas. Não sei dizer se se deve a um uso indevido do construtivismo, no qual se valoriza a obtenção do conhecimento (episteme) pelos alunos, sem dependerem exclusivamente da exposição dos professores, e utilizando de sua capacidade de pesquisa e obtenção de informação, que está bastante multiplicada pelas novas mídias e tecnologias.

O abuso chegou ao ponto de um expositor apenas perguntar, inúmeras vezes, questões diferentes, sem nada concluir. O argumento que ouvi é que se deixa a cada um o trabalho de responder, subjetivamente, as questões que são levantadas. Sessenta ou noventa minutos, com dezenas de perguntas sem resposta. Na minha ótica, voltamos ao mundo da opinião (doxa) e abandonamos o conhecimento (episteme).

Quando penso em um programa de estudos todo baseado nesta forma de ensino-aprendizagem, preocupa-me que o pensamento de Kardec, por exemplo, que usava do recurso de perguntas e respostas para que um texto complexo se tornasse mais claro, se transforme em uma grande confusão, já que cada um conclui à sua maneira, sem as devidas informações.


Penso que os jovens devem realmente usar de diversas formas de ensino-aprendizado, até mesmo usando das artes e de outros recursos para que suas reuniões sejam mais agradáveis e prazerosas, mas sem abandonar sua finalidade principal, que é o acesso ao conhecimento espírita. 

29.4.17

MEMÓRIA DA CASA ESPÍRITA



Sala de leitura da Biblioteca do Congresso Norte Americano. Ao fundo, as estantes com livros. Com a digitalização e a internet, como será no futuro?



Recentemente, um irmão muito querido de nossa casa espírita resolveu pedir à diretoria para fixar um quadro com a foto de Célia Xavier em um de nossos corredores ou saguão de maior trânsito e o retirasse da biblioteca, que fica bem escondida, "nos porões" da Associação. Seu objetivo era nobre: que as pessoas conhecessem mais a história da casa. 

O primeiro questionamento, é se ao ver o quadro, talvez com o  nome de Célia Xavier, se as pessoas entenderiam do que se trata. Em um país como o nosso, marcado pelo sincretismo, talvez pudessem entender que se tratava de um nicho, ou fazer associação ao que seria um santo católico, e passar a orar para ela neste lugar, descaracterizando nosso objetivo. É o que aprendi no curso de ciências políticas como "efeitos não esperados de uma política".

Contudo, a demanda do amigo tem razão de ser, por diversos motivos. Uma casa é um grupo de pessoas que se associa com objetivos e disposição para agir a partir de princípios. Para que ela não se perca no rumo da história, é necessário conhecer e compartilhar sua razão de ser e sua ética. Senão, as pessoas começam a agir de acordo com seus próprios princípios e entendimentos, transformando a organização em uma "terra de ninguém", um amontoado de grupos e reuniões, cada um trabalhando com uma finalidade, ética e princípios individuais e, pior, até contraditórios entre si.

Com o tempo, as coisas mudam. As demandas dos frequentadores se alteram. A economia se transforma. A rotina das pessoas fica diferente. As leis mudam. As pessoas na direção vão se sucedendo. Surgem novos projetos. Aparecem novas propostas. E a gestão, principalmente, fica no dilema entre o que deve ser mudado e o que não se muda, por ser princípio, base da identidade da organização.

Quando falamos da memória das organizações, creio que desejamos duas coisas. A mais importante é entender como, por que e para que elas foram criadas, quais são seus princípios, aquilo que não deve ser mudado, e o que foi sendo realizado e transformado no passar do tempo. A segunda coisa é reconhecer o trabalho de determinadas pessoas, que se dedicaram, que conseguiram ganhar notoriedade pelos resultados de seu trabalho, por suas ideias, pelo apoio aos demais membros da associação, ou seja, por ter feito a diferença.

Os homens espartanos lutavam corajosamente para não ir ao Letes, o rio onde as almas seriam esquecidas. Eles atingiam seu propósito de vida se seus atos fossem contados às novas gerações. Alguns tiveram suas histórias transformadas em lendas, e seus feitos foram idealizados ao infinito e eles se tornaram mais heróis que homens, semi-deuses. Não devemos fantasiar heróis no movimento espírita, mas compartilhar entre nós a experiência de homens e mulheres que construíram as organizações que nos encontramos.

Uma organização sem história é uma casa vazia, que todo novo morador se sente no direito de decorar e reformar a seu gosto. Uma organização com história é uma comunidade, que o novo membro passa a ter que conhecer para interagir, que os associados passam a ter que avaliar com fundamentação antes de decidir qualquer coisa.

A falta de história, portanto, não se resolve apenas com uma fotografia no corredor. Ela demanda informação, sentido e propósito. É um conjunto de ações coordenadas com a finalidade de compartilhar as histórias, valores, regras e tudo o mais que compõe o que o centro espírita é, ou se tornou no passar do tempo. Pode envolver palestras, treinamentos, exposições, livros, folhetos, filmes, entrevistas, youtube, sites, e diversas outras estratégias de comunicação. Não se resolve com um ato isolado, ou o esforço de uma pessoa. Só atinge maioridade, quando se torna um propósito do coletivo da associação, com o empenho do seu corpo diretor, no passar dos anos.

Quando Kardec propôs em seu projeto para o espiritismo, no século XIX, que o movimento precisava de um museu, fico pensando que ele já intuía a importância de se conhecer a trajetória dos centros e do movimento espírita, uma trajetória que não se reduza a inaugurações de prédios ou paredes com fotos de diretores, tão ao gosto da administração pública do nosso país.

Para terminar com uma provocação, respeitosa, gostaria de inverter a pergunta do irmão. Ele pergunta por que a foto da fundadora está na biblioteca-museu, onde "ninguém vai". Acho que o lugar das imagens do passado deve ficar mesmo em um biblioteca-museu, onde se tenha acesso não apenas à imagem, mas à informação associada a ela. Minha pergunta é por que a biblioteca-museu, diferentemente de muitas outras casas, está escondida nos porões da associação.

25.4.17

ANTONINA LEVA BÍBLIAS PARA A SALA DE AULA


Antonina tinha um novo desafio: a aula prevista era sobre a Bíblia. Ela imaginava que seus alunos tinham contato com o livro, porque viviam em uma região com grande influência dos evangélicos.

Ela separou então, para a aula, diversas Bíblias. Ela queria dizer que não existia apenas uma tradução, mas diversas traduções, e diferenças no texto. Levou uma Bíblia de tradutor católico, do latim, outra de tradutor protestante, do latim, a Bíblia de Jerusalém e a Bíblia do Peregrino, uma das Testemunhas de Jeová, intitulada tradução do Novo Mundo.

Seus alunos estavam indóceis, então ela começou sua aula com um “brainstorming” para verificar o que os alunos conheciam. Ela disse:

- Vocês vão me dizer a primeira coisa que vêm à mente quando eu disser uma palavra, tudo bem?

- Qual palavra, professora?

- A palavra é Bíblia!

Então todos os nove alunos começaram a falar: Mateus! Deuteronômio! Esdras! Apocalipse!

Eles conheciam livros que ela mesma não conhecia... Com certeza não aprenderam na escola. Antonina engoliu seco, mas continuou. Ela foi explicando a composição e a formação da Bíblia, quando mostrou os diversos livros que havia levado.

Eles folhearam, interessados, vendo que havia diferenças.

Um dos alunos falou:

- Na Bíblia das Testemunhas de Jeová, o livro Apocalipse foi traduzido com o nome Revelação, porque a palavra quer dizer isto em português.

Ela mostrou a “Tradução do Novo Mundo das Escrituras Sagradas”, a Bíblia das Testemunhas de Jeová.

- Deixa eu mostrar para você! Disse o aluno.

Ele localizou rapidamente o último livro da Bíblia e mostrou, triunfante:

- Olha aqui! Revelação!


Com o fim da aula, Antonina ficou pensando, admirada. Eles já conheciam muitas coisas sobre a Bíblia. Como haviam aprendido? Qual seria a extensão do conhecimento? Seria a apreensão das histórias que compõe o livro considerado sagrado? Estas histórias seriam capazes de transmitir os valores cristãos, ou seriam vistas apenas como os filmes de cinema, uma realidade ficcional, distante e sem conexão com as nossas vidas? Eles são, mesmo, capazes de aprender muitas coisas!

8.4.17

A FORMAÇÃO DO EVANGELIZADOR OU EDUCADOR ESPÍRITA DA INFÂNCIA





Muitos colegas dos tempos de juventudes espíritas, agora com os cabelos grisalhos, estão escrevendo sobre suas experiências, vividas no movimento espírita, tentando repassá-las para as novas gerações e as direções de trabalhos.

Tive duas experiências importantes no passado: fui professor de desenvolvimento de recursos humanos e fui coordenador de evangelização infantil para crianças em situação de vulnerabilidade social, em uma unidade nossa próxima de muitas favelas da Belo Horizonte dos anos 80. Desde então, nossa casa tem um problema crônico de formação de pessoas para este tipo de tarefa, não sei dizer o quanto este problema atinge os demais centros espíritas.

Há uma discussão atual sobre o nome a ser dado. Evangelização sugere apenas o ensino do evangelho e tem um pé na prática eclesiástica, então o nome educação espírita parece bem mais amplo e adequado. Contudo, isto não significa abandonar o ensino dos Evangelhos e dos princípios que embasam fortemente a ética espírita. E também, penso que a mudança de nomes não é algo que deva se transformar em “cavalo de batalha”, porque já vi as pessoas discutindo para mudar palavras, sem qualquer preocupação com a alteração da prática. Kardec dizia que “para ideias novas, palavras novas”, então esta mudança deve ser o objeto central das nossas preocupações, e não discutir para usar termos novos para conceitos velhos.

Nossa questão neste texto, contudo, é: como preparar evangelizadores ou educadores espíritas para o exercício de sua prática?

Tenho visto a realização de cursos intensivos para a preparação deles. Contudo, é uma atividade bem complexa, que não se resume a um curso de final de semana. Eles trabalham com a educação de crianças em faixas etárias e condições socioeconômicas muito diferentes. Para formar um professor de educação infantil nas escolas em geral, é necessário o magistério ou a graduação em pedagogia. Nosso trabalho é voluntário e pontual, então não há como exigir esta formação dos interessados, mas é possível realizar uma série de ações complementares para o seu desenvolvimento na tarefa.

No Lar Espírita Esperança, em Belo Horizonte, implementamos nos anos 80 uma série de ações que visavam o desenvolvimento do corpo de educadores espíritas, que foram.

  1. O horário da atividade foi expandido. Evitamos que os voluntários chegassem “correndo”, na hora da aula e saíssem “voando” após a entrega dos alunos aos pais.
  2.  Reuníamos o grupo sessenta minutos antes, não apenas para uma prece e avisos gerais, mas para um pequeno estudo ligado à evangelização. Os temas eram teóricos ou práticos e variados. Podiam tratar de alguma aula bem sucedida, alguma questão psicológica no relacionamento professor-aluno, algum tema pedagógico. Era feito pelo coordenador, mas podia contar com a colaboração de algum convidado ou membro do grupo. Assim o grupo começava a se tornar o que os cientistas sociais chamam de “comunidade de prática”.
  3.  Os novos educadores não iniciavam sua prática em uma sala de aula fixa. No primeiro ano, eles ficavam por dois meses em cada sala de aula (tínhamos turmas divididas por faixas etárias), observando como os educadores planejavam suas aulas, como lidavam com as crianças, e colhiam experiência. Ao final dos dois meses, eles eram responsáveis por uma aula na turma em que "estagiavam". A cada quinze dias, os “estagiários” se reuniam com a coordenação para compartilhar suas experiências e seus problemas. Nesta conversa rápida de trinta minutos, ia ficando mais claro se eles se identificavam com o trabalho, quais suas preferências e suas dúvidas e demandas. Esta conversa poderia gerar temas para a reunião anterior às aulas.
  4. Como os voluntários tinham dificuldade em reunir-se durante a semana para planejar suas aulas, eles se reuniam no dia da tarefa, após a saída dos alunos, para preparar as próximas aulas. Trabalhavam em conjunto, podiam conversar sobre os alunos, seus acertos e erros, seus problemas em sala de aula. Com esta prática, os educadores mais experientes interagiam com os novatos e os “estagiários”. Tinham acesso a todo o material pedagógico (não era muito) disponível na unidade e podiam usar os recursos da mesma para preparar as aulas. Uma hora era mais que suficiente para esta fase do trabalho.
  5.  No meu primeiro ano como evangelizador, meus colegas mais experientes tinham por prática fazer os planos de aula. Eu aprendia a técnica com eles, e a usei muito depois, até mesmo na minha experiência como professor universitário. Da forma que era elaborado, o plano permitia a visualização do tema, dos conteúdos, das estratégias didático-pedagógicas a serem usados, da distribuição das atividades pelo tempo e de como avaliar sua apreensão pelas crianças.
  6.  Como registrávamos os planos em cadernos, eles passaram a ser usados como material de consulta por outros evangelizadores. Infelizmente eu os perdi nas muitas mudanças que fiz ao longo da vida. Por esta razão tenho publicado no Espiritismo Comentado as histórias de Antonina e de outros educadores, mesmo sabendo que ainda não conseguimos atingir o público-alvo: os educadores infantis de espiritismo.
  7. Oferecíamos um curso de curta duração para formação geral pelo menos uma vez por ano. Uma limitação era que visávamos apenas os jovens da casa. Hoje, neste tipo de iniciativa, há uma interação entre casas diferentes na capital de Belo Horizonte, e públicos diferentes, como os frequentadores de grupos de estudo, ESDE e até mesmo reuniões públicas.
  8. Na capital mineira, hoje, há eventos voltados para educadores experientes. Infelizmente, muitos deles não veem a necessidade de participar. É importante que a programação destes eventos deixe claro o que eles irão agregar à sua experiência, para que não reajam com o velho preconceito de que não irão aprender nada, que é “mais do mesmo”.
  9. Montamos grupos de estudo de voluntários para desenvolver material sobre diferentes estratégias de educação. Chamou-se Projeto Evangelizar. Um grupo preparou um trabalho sobre música nas aulas. Outro grupo trabalhou com fantoches, com teatro de sombras e com como preparar material de apoio pedagógico em geral. Um terceiro grupo preparou um trabalho sobre planejamento de ensino. Um quarto grupo ensinou sobre jogos e recreação... Já nem me lembro mais de quantos trabalhos foram feitos. Ao final da elaboração os membros do grupo apresentavam ao corpo de educadores da Associação Espírita Célia Xavier para que o conhecimento circulasse e atingisse seu objetivo.
  10. O Professor Raul Teixeira, de Niteroi – RJ, em sua pós-graduação teve contato com a “elaboração de objetivos de ensino”, de Mager e Pipe (e outros autores), e fez uma oficina com todos os que trabalhavam com educação (infância, juventude e adultos) em nossa casa espírita. Os autores mudavam o foco do planejamento do ensino para o planejamento da aprendizagem, e discutiam a articulação entre objetivos gerais (de planos) e objetivos específicos, técnicas de escrita de objetivos, entre outros.
  11. Observamos que a aprendizagem das crianças em geral, e principalmente das crianças em situação de vulnerabilidade social era baixa. Pensamos à época em fazer uma programação mais voltada à conexão entre o espiritismo e a vida infantil, que uma adaptação do roteiro de ensino do espiritismo para adultos.

Alguns dos voluntários desta época continuam na tarefa até hoje, levaram sua experiência para onde foram, para outras casas espíritas, para outras cidades... Creio que hoje há muito o que agregar à experiência de trinta anos atrás. Pedagogia de projetos, construtivismo, novos recursos com a revolução da informática, barateamento de publicações, surgimento de novas editoras espíritas, aumento da formação superior nos meios espíritas...


O mais importante é que a educação espírita infantil não seja um mero improviso, que não seja uma mera exposição ou um esquema padrão de aulas, que ela envolva as crianças e que crie laços entre elas e a casa espírita. Que se pense não em treinamento de educadores, mas no seu desenvolvimento continuado através de ações diversificadas e na construção e reconstrução do conhecimento não formal através das gerações. Não sei se nossa experiência é útil a outras casas, em outros lugares, mas sei que há muito o que ser feito e que precisa ser bem feito.

30.3.17

ESPIRITISMO NA UNIVERSIDADE?



Durante minha juventude ouvi os espíritas queixarem-se das universidades e centros de pesquisa não estudarem o espiritismo. Em nosso país, os recursos e infraestrutura para pesquisa em diversas áreas começaram nos anos 1940, mas foi com o aporte de recursos para o CNPq, nos anos 1970 e a criação de programas de pós-graduação que houve uma ampliação significativa deste tipo de atividade.

Quando fizemos o quarto encontro da Liga de Pesquisadores do Espiritismo em São Paulo, o professor Marco Milani traçou um "perfil da produção acadêmica brasileira com temática espírita", no período que compreende 1989 a 2006. Ele descobriu que havia 39 dissertações e 11 teses diretamente ligadas à doutrina espírita (se computados os trabalhos espiritualistas, o número cresceria bastante) Dois anos depois, o prof. Tiago Paz e Albuquerque fez um levantamento sistemático e classificou 130 teses e dissertações que tinham como tema central o espiritismo, e 246 que tratavam também como tema tangencial secundário ou de estudos comparados.

As professoras Nadia Luz Lima e Cléria Bittar Bueno saíram dos encontros com o firme propósito de fazer um livro com artigos que sintetizassem alguns desses trabalhos. Os autores, contudo, cheios de atribuições, não conseguiram atender a um calendário mínimo que tornasse o projeto viável. Questionou-se, então, por que não publicar as teses em uma coleção?

Conseguimos os recursos iniciais na Fundação de Amparo à Pesquisa de Minas Gerais, que possibilitou a publicação da tese Voluntários, e aos poucos foram saindo as demais. O sexto volume da coleção, o livro "Dá-me de comer", não é tese nem dissertação, mas o fruto de pesquisas do prof. Pedro Simões, da Universidade Federal de Santa Catarina, que estudou a assistência social espírita.

A Universidade de Franca foi parceira do projeto até o quinto livro, a partir do qual, uma equipe composta das criadoras da coleção, membros do CCDPE-ECM e membros da LIHPE tem se desdobrado para dar continuidade. Desde o primeiro livro, os direitos autorais e comerciais têm sido cedidos para o CCDPE-ECM, que tem por missão a manutenção de um acervo bibliográfico e documental espírita volumoso, doado por Eduardo Carvalho Monteiro, e tem administração não remunerada.

Hoje o Voluntários e o Fogo Selvagem, Alma Domada, tese de doutorado da profa. Nadia que trata da construção do Hospital do Pênfigo de Uberaba e de Dona Aparecida, estão quase esgotados, havendo alguns raros exemplares aqui e ali.

Os demais trabalhos estão à disposição do público e podem ser adquiridos na livraria do Centro de Cultura, Documentação e Pesquisa do Espiritismo - Eduardo Carvalho Monteiro http://www.ccdpe.org.br/ ou em sua distribuidora parceira, a Candeia http://www.candeia.com/





20.3.17

A CASA DE CHICO XAVIER







Domingo foi dia de ir a Pedro Leopoldo. Oportunidade de ver o Adriano Calsone falar sobre Amélie Boudet e Allan Kardec e de rever a Casa de Chico Xavier. Foi uma viagem grata ao coração, porque encontrei amigos antigos, que a vida levou para longe, mas que como a vida costuma ser como o mar, as ondas trouxeram de volta a Belo Horizonte. Encontrei amigos geograficamente próximos, mas que a vida absorveu, com suas obrigações, em outros espaços. Vizinhos, mas distantes. E reencontrei quem lá está, na cidade natal do Chico, mas que já morou na capital e conheceu papai.



A Casa de Chico Xavier é assim, você está no passado, mas também está no presente. O tempo-espaço se curva e permite que você transite entre os dois momentos, mercê da memória, com um passo, apenas. Com um passo você vê a Dona Nenem jovem, o Rolando Ramaiciotti perfilado com o médium de Pedro Leopoldo, o Peralva com seus óculos quadrados e eterno terno, capturados pelas fotografias que a informática faz aumentar ante o pedido nervoso dos dedos. Um passo, e quem já viu o filme preto e branco, preservado insistentemente do esquecimento pela nova dimensão chamada internet, entra em um quarto com os diplomas de cidadão honorário dados pelas câmaras municipais de cinco cidades paulistanas e pela intrusa Belo Horizonte, lugar de tantas amizades caras ao médium. Um passo atrás e o tempo muda novamente, o visitante vê a cama feita e o terno passadinho, pronto para ser vestido. 

Um lugar curioso da visita são os expositores do chão ao teto com uma cachoeira de livros, perfilados, à espera do olhar curioso dos visitantes. Do Parnaso ao último livro de Chico, eles estão lá, testemunhas incontestes de uma dedicação diária, que devorava o horário de descanso após o almoço, as noites que usamos para descansar da labuta e a madrugada que os jovens gostam de usar para as baladas. Recordei-me de Raul Teixeira dizendo:

- “Para acompanhar a doença do Chico é preciso ter muita saúde”!

video


Por fim, o visitante pode voltar a 1931. Geraldinho contou que o Chico participava da reunião mais estranha da história do espiritismo brasileiro. À mesa da casa espírita ele psicografava sob a influência de Emmanuel. Terminada a tarefa, ele lia em voz alta os textos para as cadeiras vazias, as paredes nuas pintadas, os pássaros no telhado do lado de fora, que pareciam não ter muito interesse nas palavras do Mestre iluminadas pelo pensamento de Allan Kardec. Lá fora a cidade ficava meio adormecida, em um ritmo lento, mas os vizinhos deviam ouvir a voz insistente do médium, e comentavam as estranhezas daquela doutrina nova que se erguia contra a milenar instituição representada localmente por uma pequena matriz no centro, com um coreto gracioso.

Chico Xavier é conhecido por sua perseverança teimosa, sua capacidade de continuar onde muitos nem mesmo teriam iniciado. William James diria que isto faz parte da psicologia dos grandes e notáveis religiosos. Toda muralha, contudo, tem suas rachaduras e incorreções, então, o povirello de Pedro Leopoldo queixou-se a Emmanuel.

- Meu irmão, vou encerrar a reunião. Apenas eu venho e trabalho sozinho. Fico lendo para as paredes e os vizinhos já me consideram louco. Não há sentido em continuar!

O orientador espiritual pediu-lhe que retornasse uma vez mais. Emmanuel pediria ao mestre que Chico pudesse ver mais, com os olhos da alma, e entender o que fazia.

Passada uma semana, chega o Chico, na reunião que seria a derradeira, como falam os mineiros, assenta a mesa, enche as folhas de papel e inicia as últimas leituras. Emmanuel aproximou-se, impôs as “mãos espirituais” sobre a cabeça do jovem médium, e seu campo de visão espiritual se abriu. Ao redor da mesa um anfiteatro, com espíritos “assentados” acompanhando com interesse a leitura dos textos evangélicos.

Chico olhou detidamente as fisionomias e não reconheceu ninguém. Não eram parentes dos filhos da terrinha mineira. Seus traços não lhe eram familiares. Perguntou então ao orientador.

- Quem são eles? Eu não os reconheço.

- São espíritos que estão em contato com o evangelho de Jesus explicado a partir dos novos conhecimentos trazidos pelo mestre lionês e que retornarão à carne para divulgá-los.

Geraldinho se referiu a eles como a Turma de 1931.



Voltemos à Casa de Chico Xavier. Influenciada pela narrativa, ao mesmo tempo em que criava os novos espaços de uma casa que seria museu e centro espírita, a arquiteta preservou o espaço da mesa em que Chico psicografava, quando estava em sua casa, e transformou os barracões, que eram quartos para receber os espíritas que vinham dos muitos lugares, especialmente de São Paulo, passar alguns dias com ele. Da mesa veem-se as fileiras desniveladas de cadeiras, envolvendo o espaço de grata lembrança com um anfiteatro pequenino, capaz de acolher uma centena de almas encarnadas, prontas a participar da simplicidade das reuniões, de leitura, comentários e preces.

Fui convidado à mesa, como acontecia no passado e as lágrimas escorreram no canto do olho. Ali também o espaço tempo fez duas dobras, e enquanto Adriano Calsone falava dos tempos áridos, mas laboriosos do mestre francês e nos fazia recordar/aprender sobre a “femme forte” do espiritismo, a mesa insistia em nos puxar para os tempos do lápis que corria solto pelas folhas de papel, um olhar ao lado nos levava aos anos oitenta do século passado, com a grata memória dos jovens da Comebh, alguns já senhoris, com os filhos crescidos, outros já sem o corpo físico, e nos assentos do anfiteatro viam-se os olhares interessados, perdidos no tempo, imaginando Rivail e Amélie enfrentando suas lutas, com um silêncio significativo, às vezes recortado por risos discretos, emoções denunciadas pelos olhos ou ternura estampada na face.

Voltamos para casa com uma sensação de paz na alma, de alegria suave, de satisfação pelos encontros e abraços, de surpresa pelo espaço tão mágico, preservado pelo afeto de pessoas que conheceram e valorizaram o jovenzinho pobre de Pedro Leopoldo.

18.3.17

LIVRARIA DA UNIÃO TEM LIVROS DA LIHPE



A Livraria da União Espírita Mineira está com todos os livros da Série Pesquisas Brasileiras sobre o Espiritismo para venda. Eles podem ser encontrados na Rua Guarani 313, no centro de Belo Horizonte - MG.

Esta série agrupa os trabalhos apresentados nos encontros da Liga de Pesquisadores do Espiritismo e revistos por seus autores após avaliação.

Os espíritas mineiros têm agora mais facilidade de acesso aos livros da LIHPE!

11.3.17

EC FAZ DEZ ANOS!



O Espiritismo Comentado completa hoje dez anos! Acima estão as bandeiras de todos os países que já acessaram o blog. Talvez alguns países tenham visto por acidente, mas agradeço as comunidades espíritas norte-americana, europeia, japonesa, sul americana e africana, que nesta ordem têm acessado o blog, às vezes com a ajuda do tradutor. O instrumento do Google encontra também muitos acessos da Rússia e países vizinhos, da China e da Índia. Seriam apenas rastreadores de tráfego?

Neste tempo, foram quase 900 mil visualizações de páginas de quase mil postagens! É como se tivéssemos uma reunião de estudos virtuais com frequência média de 900 pessoas.

Os textos que tratam de mediunidade intuitiva (http://espiritismocomentado.blogspot.com.br/2009/01/mediunidade-intuitiva.html) e da interpretação do ramo de videira encontrado em O livro dos espíritos (http://espiritismocomentado.blogspot.com.br/2009/05/que-significa-o-ramo-de-videira-que-os.html) são os mais lidos do blog, e já foram escritos há onze anos...

Uma vez vi um filme chamado "Nunca te vi, sempre te amei", que trata de uma amizade entre um inglês e uma norte-americana, sustentada por correspondência, desde o período da guerra. Não me lembro bem do filme, mas eles ficaram décadas sem nunca se terem visto, sempre presentes na vida uns dos outros. Agradeço as pessoas que se enquadram neste modelo e se tornaram mais que leitores ao longo destes dez anos. Um dia espero conhecê-las em "três dimensões". 

Hoje é dia do Seminário "Novos Estudos sobre a Reencarnação" na Sede Federativa da União Espírita Mineira, e estão todos convidados a participar. Acho que ainda há vagas (poucas) e as inscrições são gratuitas. Vamos autografar o último livro publicado pela LIHPE em parceria com o CCDPE-ECM e a USE-SP.

Com dez anos de trabalhos, acho que precisamos parar para pensar. Enviem sugestões para o blog no nosso grupo do Facebook https://www.facebook.com/groups/espiritismocomentado/?fref=ts  para que possamos melhorar nossos trabalhos. 

Muito grato, pessoalmente, por estar com vocês durante todo este tempo.




9.3.17

MEDIUNIDADE E CIRCUITOS ELÉTRICOS



Gerador de corrente contínua tipo shunt



O jornal de estudos espíritas acaba de publicar um artigo que explica a analogia que André Luiz fez entre circuitos elétricos e mediunidade no livro "Mecanismos da mediunidade", publicado originalmente em 1959. O livro foi psicografado por Chico Xavier e Waldo Vieira. Os capítulos pares foram psicografados pelo Chico e os ímpares por Waldo. Como muitos dos conceitos de eletricidade ensinados por eles não são estudados na escola em nível de ensino médio, o livro é de difícil leitura e interpretação pela maioria das pessoas de boa vontade que frequentam a casa espírita.

O autor do artigo, Alexandre Fontes da Fonseca, é físico e professor da Unicamp. Ele tenta explicar de forma didática e compreensível o que diz André Luiz sobre mediunidade em alguns dos capítulos do livro.

Sua primeira contribuição é mostrar que o livro faz apenas analogias com eletricidade e hipnose. Ele não faz física do  mundo espiritual, como pensam alguns leitores. Embora André Luiz fale de ondas mento-eletromagnéticas, ele não diz que a mente produz ondas eletromagnética, mas que algumas das características das ondas eletromagnéticas como a variedade de frequências, a transmissão sem a necessidade de fios, sua recepção à distância e sua capacidade de gerar correntes elétricas em condutores com características especiais são muito parecidas com um espírito comunicante que produz o fenômeno mediúnico pelo pensamento, sem que ninguém seja capaz de percebê-lo com os cinco sentidos.

Algumas das comparações explicadas por Alexandre no artigo

Diferença de potencial: a existência de pensamentos distintos entre espírito e médium, para que seja possível a comunicação.

Capacidade de junção: combinação de fluidos entre médium encarnado e comunicante desencarnado (conceito kardequiano)

Fios do gerador: atitude de aceitação ou adesão do médium

Circuito mediúnico: Na combinação de fluidos citada acima, circula uma "corrente mental" (isto também é uma analogia, e não uma descrição física)

Gerador "shunt": Tipo de circuito no qual uma bobina corretamente instalada aumenta a corrente do gerador, e instalada de forma errada, diminui a corrente do gerador. É uma analogia do papel da concentração do médium durante a comunicação, segundo o articulista. 


Quem estiver interessado em entender melhor o artigo dele, basta acessar o Jornal de Estudos Espíritas no link a seguir:
https://drive.google.com/file/d/0BwP5l2F8N4s3TWJoMmRKWTRQaVk/view

8.3.17

UMA HISTÓRIA DE AMÉLIE GABRIELLE BOUDET




Ao contrário do livro "Em nome de Kardec", fui obrigado a ler "Madame Kardec: a história que o tempo quase apagou" em migalhas. O texto de Adriano continua leve de se ler e agradável. Ele transforma a narrativa em uma espécie de seriado de suspense, no qual cada capítulo é uma história.

Conhecemos mais de Allan Kardec que de sua esposa, em função, talvez, do livro "Obras Póstumas" e pelo acesso à Revista Espírita. Obviamente a visibilidade do escritor é muito maior que a de seu editor ou revisor, o que é uma das primeiras surpresas do livro. Amélie participou ativamente de toda a obra kardequiana, revendo e relendo para o marido.

Sua história como mulher francesa no século XIX mostra que ela foi muito além do esperado pelas convenções sociais da época. Após a desencarnação de Rivail, ela se tornou (se é que já não era) administradora dos bens do casal, que não eram desprezíveis, em função de heranças recebidas das famílias.

Seu compromisso com o trabalho do marido e seu tirocínio quanto às decisões que os homens das instituições criadas para dar continuidade ao trabalho de Kardec são pacientemente recuperados por Calsone. Uma das principais fontes usadas são os escritos de Berthe Fropo, amiga de Amélia. Ela coloca no papel sua visão sobre as decisões da Sociedade Científica de Estudos Psicológicos, que, salvo engano, foi fruto de uma transformação da Sociedade para a continuação das obras de Allan Kardec.

Do ponto de vista da história, Calsone tenta mostrar, sempre que possível, a visão dos dois lados, mas não esconde sua simpatia por Berthe e Amélie. Sei por experiência própria que quando há conflito, as posições se polarizam, e mesmo quem tem razão, costuma exorbitar em algumas situações.

Calsone faz uma releitura do episódio do Processo dos Espíritas, e atribui aos interesses comerciais de Leymarie, sua associação inadvertida com o "médium" farsante, que produzia fotografias espíritas. Na medida em que se vai lendo, vê-se que Leymarie não tinha a formação necessária para entender o alcance do trabalho de Kardec. Entendendo o espiritismo mais como movimento a ser tornado público que como doutrina filosófica, sem o mínimo conhecimento das ciências, ele vai fazendo associações com Roustainguistas (Guérin), Teosofistas (Blavastsky) e outros espiritualismos, não importa seu método de desenvolvimento da teoria, nem suas contradições com o exposto por Kardec em seu trabalho. Não sei se exagero, mas Calsone parece perceber o efeito dos títulos que vão sendo concedidos a Leymarie, e de sua indiferença ante a adoção de adornos, como bandeiras cheias de imagens com significados simbólicos de Guérin. 

Tudo isso não passou despercebido aos espíritas com melhor formação, como Delanne e Denis, que se dispuseram à criação do órgão "Le Espiritisme" e da "União Espírita Francesa". Calsone mostra com perfeição que a criação de uma nova instituição espírita não foi bem vista pelos membros da Sociedade, muito menos a comercialização de um novo órgão de divulgação, visto como concorrente à Revue.

Na leitura do livro, entendi melhor o significado do apoio que a Sociedade Acadêmica Deus, Cristo e Caridade, aqui do Brasil, deu à "União Espírita Universal" (elemento pré-textual de A Gênese, traduzida em 1882), bem como dos conflitos e divisões que foram descritos por Canuto Abreu no movimento espírita do Rio de Janeiro no seu livro "Bezerra de Menezes: subsídios para a história do espiritismo no Brasil até o ano de 1895". 

Não vou falar sobre os pais e a infância de Amélie, o processo de herança, sobre as acusações de destruição de documentos, nem sobre a sucessão de Leymarie e os processos judiciários que afetaram o movimento espírita profundamente. Isso fica para o leitor interessado, já que não quero ser acusado de fazer "spoiler"...

Livro: Madame Kardec: a história que o tempo quase apagou
Autor: Adriano Calsone
Editora: Vivaluz
282 páginas

6.3.17

O PAI NOSSO DE ANTONINA


Uma aula sobre oração? Ficou pensando Antonina com seus botões...

Ela se recordou de uma aula que assistiu quando tinha a idade de seus alunos. Engraçado como estas coisas vêm à cabeça, mesmo passados muitos anos.

Antonina tem poucos alunos, apenas cinco, mas o desafio de facilitar a aprendizagem não é menor. Conceitos abstratos, mesmo para crianças de 11 e 12 anos, que geralmente gostam de ser chamadas de pré-adolescentes, com uma experiência escolar limitada, aprovações forçadas e desempenho grupal baixo, são de difícil apreensão. Uma vez acreditando que não são capazes de aprender, desistem muito facilmente.

A ideia que ela teve foi associar Allan Kardec com Jesus Cristo... Kardec escreve em "O Livro dos Espíritos" que o objetivo da prece pode ser "louvar, pedir ou agradecer". Jesus ensinou aos apóstolos a oração dominical (do latim "dominus", significando senhor) como um exemplo de prece.

Ela imprimiu textos com a oração dominical, um para cada aluno. Imprimiu sete, por segurança. E montou um kit com três canetas marca-texto de cores diferentes. Amarelo para pedir, azul para agradecer e verde para louvar.

Chegado o grande momento, ela explicou a dinâmica da aula. Iriam estudar frase a frase a oração, e iriam identificar se a frase tinha o objetivo de louvar, pedir ou agradecer. Cada um iria marcar a frase com a cor respectiva, depois de conversarem em grupo.

As canetas fizeram um enorme sucesso. Os alunos nunca as tinham visto! Parecia mágica a história de colorir uma palavra para destacá-la...

As discussões foram longe. 

- Santificado seja o vosso nome! 

Depois de discutir, concluiu-se que se tratava de louvar a Deus.

- O pão nosso de cada dia nos dai hoje!

- Antonina! Ele está pedindo! Vamos marcar de amarelo?

Frase a frase foram analisando a oração. No final da tarefa alguém falou:

- Não tem nenhuma frase de azul... Falou Cícero.

- Ele não agradeceu nada? Perguntou Artur.

- Não é preciso usar as três classificações para se fazer uma prece. Como ela sai do coração, vai depender do que estamos sentindo e vivendo na hora. Explicou Antonina. E emendou:

- Vocês sabem de onde vem o Pai Nosso?

Ela mostrou um Novo Testamento.

- Uma Bíblia! Falaram os três meninos...

- Depois de Mateus, vem Marcos! Aqui passa de Mateus para Lucas. Esta Bíblia está errada? Perguntou Cícero.

- Não! Explicou Antonina. Você passou as páginas rápido demais. Explicou.

- Este livro não é a Bíblia inteira, é apenas o Novo Testamento...

Os meninos tinham um contato anterior com a Bíblia, talvez pela grande influência evangélica em sua comunidade.

Antes de terminar a aula, houve um apelo:

- Você vai trazer mais estas canetas?

E Antonina, tocada, deixou cada um ficar com um kit. 





20.2.17

SEMINÁRIO "NOVOS ESTUDOS SOBRE A REENCARNAÇÃO" NA UNIÃO ESPÍRITA MINEIRA


Espíritas de Belo Horizonte e redondezas, que não puderam estar no seminário Novos Estudos sobre a Reencarnação, na AECX, têm agora a oportunidade de participar de uma nova edição do mesmo, na União Espírita Mineira.

Além dos expositores do primeiro seminário, contamos com o médico Eric Ávila Pires, um dos autores do livro que originou o seminário, apresentando de forma compreensiva dos estudos do psiquiatra Ian Stevenson, um dos pesquisadores que trabalhou com "memória espontânea de crianças", uma das metodologias aceitas de pesquisa, que gerou grande número de artigos em periódicos indexados e livros, além de consolidar uma linha de pesquisa que continuou após o falecimento de seu criador.

Haverá oportunidade para adquirir o livro publicado em 2016 pela Liga de Pesquisadores do Espiritismo e para colher autógrafos dos autores presentes.

As inscrições são gratuitas, mas as vagas são limitadas. Inscreva-se pela internet, no endereço divulgado no cartaz e seja bem-vindo.


18.2.17

DOLORES BACELAR E O RISHI




O Correio Fraterno, jornal espírita de São Bernardo do Campo, está comemorando 50 anos de publicações com um número no qual homenageia a médium Dolores Bacelar.

Vez por outra citamos os livros que esta médium psicografou no Espiritismo Comentado. Dolores evitava a exposição pessoal, o que pode explicar, em parte, o pouco conhecimento de seus livros pelos espíritas, hoje.

Izabel Vitusso recuperou mais alguns episódios da vida de Dolores Bacelar na sua matéria no Correio. Um deles lembrou-me Yvonne A. Pereira. Dolores foi tida como morta após um de seus partos, saindo do estado inconsciente no qual se encontrava apenas no necrotério, na presença do seu "marido-quase-viúvo" e de uma vela de cabeceira. 

Entre os diversos espíritos que se comunicavam através da pena de Dolores Bacelar, sempre me impressionou o que se identificou como "um jardineiro" e que sempre achei semelhante ao Tagore psicografado por Divaldo Franco. Sua literatura de pequenos contos difere muito da que lemos na obra de Chico Xavier e do pouco de literatura brasileira que conheço.

Um de seus personagens centrais é um “rishi” (“alguém que alcança além do mundo físico através do conhecimento espiritual”. Os rishis teriam escrito os Vedas). Ele fala à alma do leitor com o apoio de imagens da natureza e de interações pontuais entre homens (como se lê no diálogo entre o rei e o jardineiro, p. 67).

Apesar das raízes indiana, o jardineiro flerta com os valores e imagens cristãs. Há um belíssimo texto no livro intitulado “O rouxinol e a lágrima” (p. 51)

Relendo os pequenos textos, que ficam entre a poesia e a prosa, encontrei outras imagens muito usadas nos evangelhos, como as sandálias, as sementes (usadas como símbolo das virtudes), os representantes das riquezas e poderes, como os reis, as pessoas simples, de profissões manuais, como um oleiro. Talvez seja principalmente nos valores que são discutidos nestas pequenas obras meio reflexivas e meio visuais que se encontra a conexão entre a estética oriental e as virtudes cristãs.

Recomendo a todos os leitores do Espiritismo Comentado a provarem deste néctar, sob a forma de pequenos textos.

3.2.17

JUANA DE LA CRUZ E O CONHECIMENTO

Juana Inés de La Cruz

Influenciado pela série sobre Juana de la Cruz, da Netflix, decidi ler alguns de seus poemas que comprei há mais de uma década. Tenho o volume 1 das Obras Completas, intitulado “Lírica Personal”. Um dos primeiros poemas trata do conhecimento, para minha surpresa.

Juana trata uma questão muito curiosa: o saber como vício. Ela fala de pessoas que vivem em busca do saber e pouco produzem com ele. Faz belas imagens em seu poema, como a dos campos floridos:
“Em amenidad inútil,
¿qué importa al florido campo,
Si no halla fruto el Otoño,
Que ostente flores el Mayo?”

Ela se indaga acima qual é a importância de um campo florir-se todo em maio, se não trouxer frutas no outono.

Creio que o raciocínio é muito semelhante a uma história que me foi ditada pelo Conselheiro, chamada “Os evangelhos de João Ângelo”, que cria um personagem que dedica a vida a pesquisar a interpretação dos textos evangélicos e negligencia seu próprio filho, em casa, não percebendo os sinais de socorro que ele lhe endereça.
Não creio que Juana, erudita como era, se ponha contra a aquisição do conhecimento, mas contra o vício de conhecer por conhecer, de acumular informações e teorias sem ser capaz de dar sentido à realidade ou, como diria Kardec, em ter conhecimento sem desenvolver sabedoria.

14.1.17

QUEM É O PRÓXIMO?

Fonte: http://iejusa.com.br/civilizacoesantigas/imagens/7_55.jpg


Na parábola do Bom Samaritano (Lucas 10:29-36) o doutor da lei pergunta a Jesus: “Quem é o meu próximo?”, esta pergunta havia sido feita após se ter conversado sobre a lei moisaica, mais especificamente sobre uma passagem do Levítico, na qual se fala para “amar ao próximo como a si mesmo” (Levítico 19:18)

Lendo mais detidamente a citação, no texto de Moisés, Yahweh está tratando da justiça no julgamento. Inicialmente ele fala para não tratar de forma diferente o pobre e o rico (19:15), depois fala do compatriota (irmão) e recomenda repreender, para que não se cometam crimes de vingança entre os israelitas. Então se escreve:

“Não te vingarás e não guardarás rancor contra os filhos do teu povo. (grifos meus) Amarás  o teu próximo como a ti mesmo” (Lev. 19:18)

Vê-se aqui que a lei mosaica tenta fazer que os israelitas se tratassem como irmãos, ou seja, que se aceitassem sem distinção de riqueza ou pobreza e que renunciassem à vingança de sangue entre si, para tratar suas diferenças dentro da lei. Neste contexto, o próximo a que se refere Yahweh são os compatriotas.

Se aceita esta acepção, faz sentido a questão proposta pelo doutor da lei a Jesus. Quando ele pergunta quem é o próximo dele, ele esta perguntando se o alcance da exigência da lei são os seus compatriotas, apenas, mas Jesus vai estabelecer que se deve amar as pessoas sem a distinção de nacionalidade.

Ao contar a parábola, Jesus elege como herói um samaritano. Ele toca em uma rixa antiga dos descendentes de Abraão. Após o reinado de Salomão, os hebreus se dividiram em dois reinos: Israel e Judá. O reino de Israel tem a Samaria como capital, mas foi conquistado pelo  assírio Sargão II em torno do século VIII a.C., o que gerou uma espécie de influência religiosa oriental nos costumes da região. Os samaritanos, contudo, continuavam aceitando os cinco livros da lei moisaica, mas os judeus, na época de Jesus, condenavam estas diferenças e alimentavam a separação. A rixa com os samaritanos ia ao ponto destes terem seu próprio templo, o que os isolava do templo de Jerusalém.

Habitantes do reino de Judá e habitantes do reino de Israel se viam como diferentes. Eles, por consequência, não se viam como "próximos", embora ambos vivessem sob as regras da lei moisaica.

Os Romanos dividiram a o antigo reino de Salomão, na época de Jesus, em regiões administrativas, entre as quais se encontram  a Judeia, a Samaria e a Galileia. Eles geralmente observavam as semelhanças culturais para que seu domínio fosse principalmente na esfera de governo, evitando controle militar ostensivo. Era uma ideia política herdada dos gregos: "Dividir para conquistar". Estas três regiões continuam sob a influência da lei de Moisés, mas a divisão deve ter evidenciado a percepção das diferenças.

Na história que Jesus conta, um suposto judeu, assaltado e deixado ferido para morrer, é socorrido por um samaritano, ao mesmo tempo em que um sacerdote e um levita judeus o deixaram no caminho. Então Jesus pergunta ao doutor da lei quem era o próximo da vítima de assalto, e seu interlocutor admite que é o samaritano, com as palavras “aquele que usou de misericórdia para com ele”.
Jesus propunha uma ampliação da noção de “próximo”. Ela incluiria até mesmo os estrangeiros, e mesmo os que fossem inimigos dos Judeus, como os romanos, por exemplo. É por esta razão que Jesus afirma no sermão da montanha:

“Ouvistes o que foi dito: “Amarás o teu próximo” e “odiarás o teu inimigo”.  Eu, porém, vos digo: Amai vossos inimigos e orai pelos que vos perseguem, para que vos torneis filhos do vosso Pai [que está] nos céus, já que seu sol desponta sobre maus e bons, e cai chuva sobre justos e injustos” (Mateus 5:43-45)

Jesus propunha que culturas diferentes pudessem conviver sob uma lei maior, a do Pai. Que não houvesse xenofobia e preconceito no trato entre diferentes. Como alguém que morou a vida quase toda na Galileia, ele percebia que os galileus eram vistos pelos habitantes da Judeia como inferiores,  não importa o quanto vivesse de acordo com a lei.

A universalidade da noção de próximo possibilitou aos cristãos uma ampliação além dos limites da cultura e costumes hebraicos. Como estas questões regionais ficaram distantes no tempo, e passamos a estudar apenas superficialmente a época, a noção de próximo passou para o nível individual, e é geralmente interpretada, hoje, como “qualquer pessoa”, o que gerou um problema para o entendimento dos inimigos, que deixaram de ser inimigos do estado ou da cultura hebraica, e passaram a ser entendidos como inimigos pessoais. Allan Kardec percebeu a estranheza da frase “amai os vossos inimigos” no capítulo XII de O Evangelho Segundo o Espiritismo.
Nos dias de hoje, em que o mundo, e especialmente a Europa, se vê diante da questão da xenofobia, decorrente das migrações oriundas de regiões de guerra e fome, o ensinamento de Jesus nunca foi tão atual.