8.1.09

Gil Restani e José Mário

Foto 1: José Mário Sampaio na juventude


Eu conheci o Gil Restani após uma palestra realizada no Centro Oriente (nome de fundação do grupo, ainda muito usado pelos espíritas da capital, que a partir de 1952 passou a chamar-se Grupo da Fraternidade Irmã Scheilla – Grupo Scheilla). Era um jovem estudioso do Espiritismo.

O Grupo Scheilla filiou-se ao Movimento da Fraternidade, interpretado por muitas pessoas como sendo uma espécie de movimento paralelo à União Espírita Mineira. Nos dias de hoje, praticamente inexiste esta questão. O Movimento da Fraternidade continua atuante e os Grupos da Fraternidade encontram-se adesos à Aliança Municipal Espírita – AME e ao pacto federativo.

Gil Restani, Daltro Rigueira e outros trabalhadores desta casa convidaram papai para realizar um ciclo de estudos sobre a mediunidade no Grupo Scheilla. Foi um ato corajoso porque apontava para uma aproximação entre um projeto da UEM e o "Scheilla".

Papai sempre foi muito reservado, mas penso que, entre um comentário e outro, ele tinha clareza da importância desta aproximação. Aceitou o convite e, se não estou enganado, coordenou o primeiro ciclo inteiro (não sei ao certo por quanto tempo trabalhou neste projeto).

Como o trabalho aproxima, recordo-me das visitas que os companheiros do "Scheilla" fizeram a papai durante suas enfermidades. Visitas de amigos saudosos que se tornaram, que tinham prazer em estar juntos e conversar, e não aquelas visitas breves de aplicação de passes, quase impessoais, como exige a boa técnica.

Ao saber que eu estava escrevendo alguns episódios da vida espírita de papai, Gil, solícito, enviou-me dois episódios envolvendo seu relacionamento pessoal, que passo a transcrever:

“No transcurso do Ciclo de Estudos Sobre Mediunidade, no Centro Oriente, fomos nos familiarizando e construindo uma boa amizade. Certa ocasião, disse ao José Mário que não estava conseguindo encontrar o livro "Primícias do Reino", do Espírito Amélia Rodrigues, psicografia de Divaldo Pereira Franco. O comentário foi feito en passant. sem maiores conseqüências e dele logo me esqueci.

Passados uns dois meses, em novo encontro nas dependências do "Oriente", eis que o José Mário me surpreende: - "Gil, estive em Vitória e lá me lembrei de você; tome..." e me entrega um exemplar do livro "Primícias do Reino", com a seguinte dedicatória: "Ao amigo e companheiro de fé espírita - Gil - com a fraternal estima de sempre. José Mário. B. Hte. 21.10.83."

“Em outra ocasião, José Mário foi fazer uma palestra em reunião pública por mim dirigida no Centro Oriente. Como de praxe, passamos a palavra ao palestrante, que se achava sentado à mesa, ao meu lado. Quem conhece o Centro Oriente,
sabe que existe uma "tribuna", constituída de pedestal e microfone, para uso dos palestrantes. José Mário, contudo, pediu-me o outro microfone e permaneceu
sentado, para minha surpresa, e pronunciou a sua palestra, sempre muito preparada e agradável, naquela postura. Ora, sempre soube e aprendi que o orador ou palestrante deveria falar em pé, em respeito ao público. Terminada a
palestra, com a liberdade que têm os amigos, indaguei do José Mário por que motivo ele havia falado assentado e ele me respondeu:

"- Gil, estou adoentado. Já pensou se, enquanto estivesse falando, eu caísse?" Envergonhado, pespeguei um forte abraço naquele irmão de fé, denodado e dedicado, que, mesmo enfermo, a ponto de temer não suportar-se de pé, compareceu à palestra e deu o seu recado, em mais um testemunho de amor à Doutrina.”

“Como pode concluir, Jáder, são fatos comuns e corriqueiros, contudo, para mim, são inesquecíveis.”

2 comentários:

Lílian Ramires Costa disse...

Jovem Dr. Jader, uma boa tarde.
Você não se lembrará de mim ou de minha família, mas temos em nossa jornada terrena duas fases: antes e após conhecer José Mário Sampaio... Como está D. Lidinha, as meninas dela, o Guilherme, o Baixinho? Você já é pai, professor ilustre, preparado e brilhante, como já comentava conosco, honrado e todo orgulhoso do filho amado, seu inesquecível pai... Li o comentário do Gil Restani para meu pai, Luiz Boavengtura e lembramo-nos dos lanches gostosos, regados ao delicioso pão de queijo de geladeira de D. Lidinha e os valoros e completos ensinamentos de seu pai, sobre tantos assuntos pertinentes e que tanto nos auxiliaram...
Saiba que ele foi um divisor de águas em nossas vidas, livrando-nos de tantos e tantos sofrimentos...
Com sincero carinho e respeito,
Lílian Ramires Costa
Santa Luzia/MG., 18/01/2012

Jáder Sampaio disse...

Lílian,

Entre em contato no sampaiojader@gmail.com

Lembro-me bem de seu pai e de sua mãe.

Um abraço

Jáder