22.11.17

UM MILHÃO DE ACESSOS!


Um milhão... de acessos

Quando comecei o Espiritismo Comentado, desejava apenas publicar reflexões, estudos, indicar bons livros espíritas, divulgar trabalhos sérios, dizer de antemão que há eventos interessantes, lembrar das histórias e preservar a memória espírita, apreciar a boa arte em temática espírita...

Imaginei que pudesse interessar a muita gente, mas nunca imaginei que um dia teria um contador de acessos dizendo que foi vencida a barreira de um milhão de visualizações. Um milhão de pessoas, do outro lado da tela, clicando e lendo o EC.

Não obrigamos ninguém a acessar. Hoje, a maioria dos leitores estão inscritos no Facebook ou no blog, os grupos em que faço chamadas são afins. Nunca investi em propaganda, nem paguei ao Google para mostrar o EC para quem digite a palavra espiritismo em seu instrumento de busca. Não haveria nada de errado nisso.



Nunca ganhei dinheiro com o EC. Talvez devesse, para empregá-lo em caridade e cultura, mas perdi esta oportunidade. Cheguei a tentar uma vez inserir anúncios, mas fiz tantas restrições ao Google, que eles desistiram de mim. Com isso evitei o pensamento de muita gente descaridosa, que logo fica pensando que o editor ganha dinheiro com o espiritismo.

Divulguei meus livros, as traduções, os que foram escritos, os organizados, os psicografados... Imagino que se eu não acreditasse neles, ninguém mais deveria fazê-lo. Mesmo assim, nenhum se tornou best-seller. Talvez eu escreva para muito poucas pessoas, mesmo, ou para pessoas que não gostam muito de livros, preferem os textos rápidos da internet.

Hoje tenho ajuda de amigos, que me comentam e criticam com bom coração, da Érika que virou parceira, mantendo o Eventos Espíritas com seriedade e dedicação, dos colaboradores que cederam gratuitamente seus textos para o EC, e por isso os publiquei com seus nomes em destaque. Agradeço à turma do Célia Xavier, ao pessoal da LIHPE, aos amigos do CCDPE-ECM, do JEE, da UEM, do Felipe Santigo e às pessoas das casas espíritas de Belo Horizonte com quem mantemos contato pessoal. Eles me conhecem ao vivo e à cores, e... toleram. Obrigado pela tolerância, e pelo afeto, que é ainda melhor.



O EC me abriu as portas do Japão, dos espíritas norte-americanos, de Portugal e de muitos outros países, inacessíveis ou de dificílimo acesso, se estivesse publicando apenas nas mídias impressas. Através do EC fiz amigos, conheci boa gente. O EC tem sido meu companheiro em algumas das sessões intermináveis de hemodiálise, e me ajuda a fazer o tratamento, às vezes protestando gentilmente por ter que sair da cadeira. Nessas horas eu estou “quase terminando” um texto, respondendo o comentário de um leitor, pesquisando uma imagem, aprendendo alguma coisa, fazendo uma pesquisa... Posso assegurar que o EC é bom para a saúde, pelo menos para a minha saúde mental.

Perdoem-me aqueles a quem respondi sem paciência. Perdoem-me os que se ofenderam em debates. Perdoem-me os que demorei a responder. Perdoem-me os que ficaram decepcionados com minha pequena capacidade. Perdoem-me os que desejavam que eu fosse capaz de conseguir vagas gratuitas no Hospital Espírita André Luiz. Perdoem-me os místicos, aqueles cuja visão de espiritismo não é compartilhada por mim. Perdoem-me os críticos tenazes, especialmente aqueles com quem não mais tenho conversado. “Os dias eram assim”, cantou Elis.

Obrigado aos que leram. Aos que entenderam minha “cara amarrada”. Aos que perdoaram minhas palavras francas, nem sempre caridosas. Aos que não se ofenderam com meus pensamentos e ideias. Aos que se ofenderam, mas entenderam que pensamos diferente. Obrigado aos que convidaram seus amigos para o EC. Aos que oraram por mim. Aos que riram de algo engraçado. Aos que choraram de algo triste. Aos que se indignaram com coisas erradas que denunciamos. Aos que se iluminaram diante da experiência de outros que trouxemos. Obrigado aos que leram algum de nossos textos em suas comunidades, espíritas ou não. Obrigado aos que compraram algum dos livros que divulgamos (espero que tenham lido e gostado). Obrigado aos que acharam bonitas algumas palavras. Muito obrigado aos que auxiliaram, quando viram que a finalidade era nobre. Isso é o que vimos tentando fazer há um milhão de cliques.

18.11.17

PLANEJAMENTO ENCARNATÓRIO? SÓ EM LINHAS GERAIS.




A Organização das Nações Unidas – ONU diz que nascem 180 pessoas por minuto no mundo, que viverão, em média, 71,4 anos. Inferindo, 94 milhões e 600 mil pessoas nascem todo o ano. Juntas, elas vivem cerca de 59 trilhões de horas.

Fiquei imaginando qual seria a infraestrutura no mundo dos espíritos para fazer o planejamento de 94 milhões de corpos por ano, ou para planejar os eventos que envolvem 59 trilhões de horas para as pessoas que encarnarão em apenas um ano nos quatro cantos do mundo.

Por que estou dizendo isso?

Os leitores da obra do espírito André Luiz, via Chico Xavier, irão se recordar, no livro Missionários da Luz, um caso de planejamento reencarnatório, intitulado “preparação de experiências”. Ele trata de um espírito, em boas condições mentais, apoiado por outros que lhe são afins, planejando a próxima reencarnação.

O autor espiritual faz uma ressalva, que há espíritos que reencarnam sem este tipo de apoio, tendo por base apenas suas promessas, endossadas pelo mais alto.

Alguns leitores apressados, ou desencantados com os revezes da vida, acreditam que tudo o que passam foi programado anteriormente. Não percebem as “causas atuais”, a que se refere Kardec, que são as escolhas que fazemos no curso da presente encarnação. Não percebem também os riscos a que nos expomos e que as ciências desvendam a cada minuto, propondo, quando possível, meios de os evitar ou reduzir.

Kardec não propunha esse determinismo reencarnatório que às vezes vemos no discurso de alguns expositores, como por exemplo, na questão abaixo de O Livro dos Espíritos (os negritos são meus):

259. Do fato de pertencer ao Espírito a escolha do gênero de provas que deva sofrer, seguir-se-á que todas as tribulações que experimentamos na vida nós as previmos e escolhemos?

Todas, não, porque não escolhestes e previstes tudo o que vos sucede no mundo, até às mínimas coisas. Escolhestes apenas o gênero das provações. As particularidades são a consequência da posição em que vos achais e, muitas vezes, das vossas próprias ações. Escolhendo, por exemplo, nascer entre malfeitores, sabia o Espírito a que arrastamentos se expunha; ignorava, porém, quais os atos que viria a praticar. Esses atos resultam do exercício da sua vontade, ou do seu livre-arbítrio. Sabe o Espírito que, escolhendo tal caminho, terá que sustentar lutas de determinada espécie; sabe, portanto, de que natureza serão as vicissitudes que se lhe depararão, mas ignora se se verificará este ou aquele evento. Os acontecimentos secundários se originam das circunstâncias e da força mesma das coisas. Previstos só são os fatos principais, os que influem no destino. Se tomares uma estrada cheia de sulcos profundos, sabes que terás de andar cautelosamente, porque há muita probabilidade de caíres; ignoras, contudo, em que ponto cairás e bem pode suceder que não caias, se fores bastante prudente. Se, ao percorreres uma rua, uma telha te cair na cabeça, não creias que estava escrito, segundo vulgarmente se diz.

(Dedico este texto aos meus amigos, Dr. Felipe Lessa e Dr. Ricardo Wardil.)

16.11.17

COMO FOI FEITA A MÚSICA TOCANDO EM FRENTE?






Almir Sater está sendo entrevistado e canta sua famosa canção, Tocando em Frente. Depois ele explica como a música foi feita e os nexos de coincidências. Assista até o final!

10.11.17

UM CASO ENVOLVENDO MEDIUNIDADE E TRANSTORNO DELIRANTE




O jornal brasileiro de psiquiatria (v. 6, n. 4, p. 311-314, 2015) publicou um caso apresentado por autores da Universidade Federal de Pernambuco e da Universidade de Pernambuco, de transtorno delirante induzido.

Também conhecido como “folie a deux” (loucura a dois) trata-se de um tipo de psicose não esquizofrênica nem bipolar na qual um delírio (uma crença falsa, que pode ser inclusive factível) é compartilhado por duas pessoas que convivem ou tem um relacionamento próximo.

Há diversos subtipos descritos na literatura psiquiátrica atual: o erotomaníaco (o paciente acha que alguém o ama, geralmente alguém famoso), o grandioso (o paciente acredita que tem um grande talento, que ninguém reconhece, ou que fez uma descoberta importante), o ciumento (que acredita que o cônjuge é infiel, sem qualquer evidência), o persecutório (que crê que há uma conspiração ou que alguém o persegue, engana, difama, droga ocultamente, ou impede o desenvolvimento de sua carreira profissional) e o somático (que acha que existem insetos ou parasitas internos, ou que exala um odor, sem qualquer base na realidade).

Não se trata de uma crença momentânea (que todos podemos ter), que se corrige com evidências em contrário e com o tempo, mas uma crença falsa e persistente que ninguém dissuade, mantida por um tempo dilatado, como meses, e que afeta o comportamento e o relacionamento do portador de transtorno delirante.

Por que estou falando de uma doença mental em um blog sobre espiritismo? 

Por que no caso apresentado pelos psiquiatras, a paciente M. de 51 anos, compartilhou com sua mãe de 81 anos, que se considerava médium, mas que aparentemente não frequentava nenhuma instituição espírita, diversas crenças, pelo menos questionáveis. 

A primeira é que lhe tinha sido revelado que se ela viajasse com o marido para a Europa, ela morreria. M. cancelou a viagem. 

Dezesseis anos antes da revelação, M. teve uma psicose puerperal (pós parto) e foi tratada de forma medicamentosa, e a mãe, naquela época, falou que havia maus presságios com relação ao bebê. M. passou a crer que se tratava de um espírito ruim e chegou a tentar matá-lo.

M. foi tratada pelos psiquiatras com um medicamento antipsicótico e foi orientada a se afastar da mãe durante o tratamento. Passados 14 dias os sintomas desapareceram, e seis meses depois o medicamento foi retirado gradualmente.

Dois anos depois, o marido informou que a paciente continuou sem sintomas e passou a se relacionar com a mãe de forma menos frequente.

Este caso traz a discussão da questão da mediunidade e doença mental e o cuidado que se deve ter com informações consideradas obtidas pela via mediúnica. 

Os psiquiatras não avaliaram a mãe, mas supõe-na psicótica, se considerarmos o diagnóstico que fizeram a partir do relato da filha, e talvez tenha influenciado o seu não envolvimento com nenhuma instituição religiosa.

Supondo que a mãe fosse realmente médium, que não fosse psicótica e que ela soubesse do quadro de psicose puerperal que a filha apresentou, ela deveria ter tido cuidado com o relato de suas percepções. Uma criança com experiências ruins no passado, vem para ser amada, cuidada e educada, segundo o pensamento espírita. O cuidado e dedicação dos pais é, com certeza, uma fonte importante de experiências para que ela reavalie os impulsos que traz do passado.

Este caso mostra que mediunidade, para ser praticada para o bem-estar das pessoas, demanda estudo e reflexão ética, sensatez e humildade.

Este caso também ilustra a importância de quem orienta pessoas, em um centro espírita, ter pelo menos noções de psicopatologia. 

Supondo que a mãe de M. fosse realmente psicótica (independente de ser ou não médium), não se deveria incentivar o desenvolvimento da mediunidade, mas ela chegaria à casa espírita com uma série de relatos de percepções espirituais, que na verdade seriam delírios. Conhecê-la, por exemplo, em um curso sobre mediunidade, evitaria que ela viesse a gerar falas delirantes em uma reunião mediúnica, prejudicando os objetivos do grupo. É importante saber que existem delírios e alucinações e que estes não podem ser reduzidos a percepções espirituais, e que as pessoas que os têm necessitam de tratamento psiquiátrico.

2.11.17

COMO KARDEC COMEMORAVA O DIA DOS MORTOS?


Comemorado com alegria no México

Hoje se comemora o “Dia dos Mortos” (finados) e nossas televisões irão enviar suas equipes aos cemitérios para cobrir a movimentação incomum de visitação aos túmulos, compra de flores e a emoção dos que irão recordar seus entes queridos.

No passado tratava-se de uma festa pagã, seja a Lemurália, em Roma, na qual se faziam ritos de exorcismo nas casas, seja nas sociedades pré-colombianas, na região do atual México, onde se acreditava que os mortos visitariam seus parentes, então se preparavam as comidas que eles gostavam e se decorava as casas com velas, flores e incenso.

Para o espiritismo, o túmulo que guarda o corpo não é o lugar mais adequado para se encontrar a pessoa que um dia deu vida aos restos que lá se encontram. Uma vez livres das amarras que a prendiam, tendo consciência de si e liberdade interior, ela prossegue seu caminho, dando continuidade à vida que se interrompera com a última encarnação.

A morte do corpo, contudo, não lhe apaga as memórias. As pessoas a quem ela desenvolveu afetos e estabeleceu ligação espiritual continuam sendo caras. Os parentes a quem devotara parte de sua vida continuam presentes em seu pensamento e, se distantes, provocando saudades.

Basta, portanto, lembrarmo-nos dos nossos para lhes enviar uma mensagem de carinho, um sinal de que continuamos unidos por laços mais profundos. Uma prece lhes soa como um abraço apertado, um beijo na face, uma sensação de imensa satisfação.

Allan Kardec, após estudar algumas comunicações de espíritos que lhe descreveram o ambiente espiritual no dia dos mortos, instituiu uma “sessão anual comemorativa dos mortos”, na Sociedade Parisiense de Estudos Espíritas.

Alguns de seus colegas da SPEE, que já haviam realizado a grande viagem, comunicavam-se nesse dia, e seus espíritos orientadores davam comunicações instrutivas. A prática continuou após a desencarnação de Allan Kardec, e não sabemos quando se extinguiu.

Nada mais justo que recordar daqueles que nos possibilitaram o conhecimento da doutrina espírita no dia dos aparentemente mortos, em conjunto com os que nos dedicaram sua amizade e amor.


(Um texto mais detalhado sobre o tema foi publicado na Revista Cultura Espírita no. 80, em novembro de 2015, pelo Instituto de Cultura Espírita do Brasil)